SP registra 1ª vítima este ano

Rejane Lima, Brás Henrique e Silvia Amorim - O Estado de S.Paulo

Dengue clássica matou uma jovem em Praia Grande

A Prefeitura de Praia Grande, na Baixada Santista, não teme nova epidemia de dengue após o anúncio do primeiro caso fatal da doença em 2008 no Estado de São Paulo. Uma jovem de 18 anos morreu na cidade em conseqüência de complicações da dengue clássica há cerca de um mês, embora a notícia só tenha sido divulgada anteontem. Outras duas mortes (em Barueri e Osasco) estão sendo investigadas.''Pelo ciclo da dengue, a gente acredita que não haverá uma epidemia. Mas estamos alertas, principalmente agora com a situação do Rio'', disse ontem a chefe do Departamento de Saúde Pública de Praia Grande, Maria Cecília Cabrita Nogueira.Segundo ela, a morte não foi causada por dengue hemorrágica e sim por causa de uma hepatite ocasionada pelo mesmo vírus. ''Ela teve dengue clássica, passou pelo pronto-socorro e foi para o Hospital Municipal de Praia Grande, onde ficou internada e foi a óbito'', afirmou Maria Cecília, acrescentando que inicialmente os médicos suspeitaram de leptospirose ou hepatite. A jovem morava no bairro Esmeralda, na periferia da cidade, onde acredita-se que tenha sido contraída a doença.Maria Cecília lembra que Praia Grande já teve duas grandes epidemias de dengue, em 2002 e 2006, e desde então há um trabalho periódico de controle da doença. Esse ano, apesar da morte da jovem, a prefeitura comemora os números: 22 notificações e 8 confirmações. Em 2007, foram 244 casos notificados e 169 confirmados.Com 472 casos de dengue confirmados até agora, Araraquara, na região de Ribeirão Preto, é a cidade paulista com o maior número de registros neste ano. Desse total, 469 são autóctones e 3 importados de outras cidades. Existem ainda 83 casos suspeitos. Para tentar conter o avanço da doença, um mutirão começou no domingo. As confirmações da doença aumentam mês a mês: 110 em janeiro, 168 em fevereiro e 190 em março.''Esse é o maior surto de dengue da história da cidade'', disse a gerente da Vigilância Epidemiológica do município, Fabiana do Carmo Araújo. Segundo ela, Araraquara teve 192 casos em 2001 e 303 em 2007. ''E sabemos que esse número ainda vai subir'', lamentou.De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, 1.297 casos foram confirmados em 2008 até agora no Estado, 97% menos que os 44.760 registrados em 2007, que mataram 35 pessoas.O governo paulista ofereceu ontem ajuda ao Estado do Rio. São Paulo disponibilizou 200 leitos hospitalares na capital e 100 mil exames de diagnóstico.