SP distribui livro para 3ª série com palavrão e conteúdo sexual

Simone Iwasso e Fábio Mazzitelli - O Estado de S.Paulo

Após divulgação, secretaria manda recolher exemplares das escolas e abre sindicância

A Secretaria de Estado da Educação de São Paulo mandou recolher ontem 1.216 exemplares do livro Dez na Área, um na Banheira e Ninguém no Gol, compilação de quadrinhos de cartunistas brasileiros que foi distribuída para alunos da 3ª série do ensino fundamental. O problema foi a inadequação do conteúdo do livro com a faixa etária dos alunos, de cerca de 9 anos. A obra traz sátiras de momentos do futebol onde aparecem palavrões, frases de duplo sentido, expressões sexuais e até referências ao Primeiro Comando da Capital (PCC), organização que lidera o crime organizado no Estado. O governador José Serra (PSDB) classificou o erro da pasta como "um horror" e mandou abrir sindicância para apurar as responsabilidades pela seleção do livro, que faz parte do programa Ler e Escrever, uma das bandeiras de Serra desde quando era prefeito da capital. A inclusão do livro no programa foi noticiada ontem pelo jornal Folha de S. Paulo. Outros 818 títulos fazem parte da cesta de livros distribuída às escolas. Segundo nota divulgada ontem pela secretaria, "a escolha do livro foi um erro, pois o material é inadequado para alunos dessa idade". A pasta afirmou que "assim que a falha foi constatada, foi determinado o recolhimento imediato dos exemplares, que já tinham chegado a algumas escolas, porém não foram entregues às crianças". O erro na escolha foi apontado pelos coordenadores pedagógicos do programa assim que receberam os primeiros exemplares na semana passada. Segundo Roberto Gobatto, gerente de marketing da Editora Via Lettera, que publicou a coletânea de quadrinhos, foram adquiridos por volta de 1.700 exemplares pela Secretaria da Educação, com desconto de 50%. "É uma publicação de humor inteligente que tem como pano de fundo o cenário futebolístico", afirma Gobatto, que não se responsabiliza pelo direcionamento a crianças de 9 anos. "A distribuição foi por conta da secretaria que fez a escolha do título. Logo, o destino não era de nosso conhecimento", diz Gobatto. Em entrevista à Rádio CBN, o quadrinista Caco Galhardo, autor de uma das HQs que mistura futebol a expressões sexuais, disse que a história "é uma tiração de sarro de uma mesa-redonda que é uma baixaria sem fim. Uma coisa que só tem palavrão. Nunca uma história dessas deveria ir para a escola". Em março, a secretaria precisou enviar uma correção para todos os livros de geografia usados na 6ª série do fundamental. O material trazia dois Paraguais e excluía o Equador de um mapa da América do Sul.