Sono ruim favorece diabete

AP, Washington - O Estado de S.Paulo

Habilidade do corpo de controlar a glicose cai 25%

Uma pesquisa conduzida por cientistas americanos indica que interrupções no sono podem atrapalhar a capacidade do corpo de regular os níveis de glicose no sangue, elevando potencialmente o risco de se desenvolver a diabete do tipo 2.Outros estudos já haviam indicado que a insônia tem efeito similar. A nova pesquisa mostra que a qualidade do sono também aumenta o risco da diabete. Os resultados foram publicados nesta semana na edição online da revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences (www.pnas.org).Milhões de pessoas sofrem com a doença no mundo, especialmente aquelas com mais de 40 anos. Ela ocorre quando o organismo torna-se resistente à insulina ou não produz o hormônio em quantidade suficiente para regular a glicose na corrente sanguínea.No teste com voluntários, uma equipe liderada por Esra Tasali, do Centro Médico da Universidade de Chicago, descobriu que a interrupção dos períodos mais profundos do sono tem rapidamente impacto negativo: os níveis de glicose não foram corretamente regulados.MUDANÇA NO RITMO Os cientistas analisaram os padrões de sono de nove voluntários saudáveis, cinco homens e quatro mulheres. Todos estavam com o peso normal e tinham entre 20 e 31 anos.O sono é dividido em diversos estágios - o das ondas lentas é o mais profundo. Sempre que os voluntários entravam nesse ponto, os pesquisadores faziam algum barulho suficientemente alto para atrapalhar o sono, mas que não chegava a acordá-los. Em apenas três dias, a habilidade do corpo de regular o açúcar caiu 25%."Nesse experimento, provocamos o sono de pessoas com 60 anos em jovens com 20 a 30 anos", explica Tasala. "Essa queda no estágio de ondas lentas imita as mudanças nos padrões de sono observadas em pessoas a partir dos 40 anos."A redução da quantidade de minutos de sono profundo é uma característica do envelhecimento e de desordens normalmente ligadas à obesidade, como a apnéia obstrutiva. Em jovens, tal estágio dura de 80 a 100 minutos; em pessoas com 60 anos, ele toma menos de 20 minutos. "Os resultados sugerem que estratégias para melhorar a qualidade do sono, assim como a quantidade, podem ajudar a prevenir ou adiar o surgimento da diabete do tipo 2 nos grupos de risco", afirmou a cientista Eve Van Cauter, co-autora do estudo.