''''Sistema tem falhas, mas é referência'''', diz técnico

- O Estado de S.Paulo

Brasília - A saúde pública brasileira é lembrada pela fila nos hospitais, pela demora para exames e o atendimento pouco atencioso. Embora retrato fiel do que ocorre em muitos cantos do País, o sistema brasileiro é apontado como referência mundial. "O programa inegavelmente ajudou nos últimos anos a melhorar a qualidade de vida", avalia o gerente de projetos do Ministério da Saúde, Elias Antonio Jorge. Antes do SUS, lembra, somente a população economicamente ativa tinha direito à assistência. "O SUS é como o País: desigual. Mas ninguém se iluda a imaginar que só os pobres fazem uso do sistema", completa Jorge. "Está aí o programa de vacinação, o sistema de vigilância de epidemias e o de qualidade dos remédios." Em 2006, foram feitas 9,2 milhões de sessões de terapias renais substitutivas - indispensáveis para quem tem insuficiência renal crônica -, ou 95% da terapia ofertada em todo o País. Também foram feitos 14 mil transplantes - 80% do total no País.