São Carlos abre novo laboratório de nanotecnologia para a agricultura

Brás Henrique, RIBEIRÃO PRETO - O Estado de S.Paulo

Com pesquisas iniciadas há dois anos e um investimento de R$ 10 milhões, foi inaugurado ontem, em São Carlos, o Laboratório Nacional de Nanotecnologia para o Agronegócio (LNNA). "É o único laboratório do mundo voltado para uma área em que somos fortes e temos a oportunidade de contribuir com o Brasil, agregando essa nova tecnologia", disse Luiz Henrique Mattoso, chefe de pesquisa e desenvolvimento da Embrapa Instrumentação Agropecuária, em cujo terreno o prédio foi construído. Desde 2006, Mattoso coordena a Rede de Nanotecnologia Aplicada ao Agronegócio, que envolve 90 pesquisadores de 32 instituições - 17 unidades da Embrapa e 15 instituições acadêmicas. "Os pesquisadores da rede trabalham para melhorar o desempenho, a produtividade e a sustentabilidade do agronegócio brasileiro", explicou. A meta é usar a nanotecnologia, a ciência que permite a manipulação de matéria em escala atômica, molécula por molécula, para aplicação desde o plantio, controlando o uso de insumos agrícolas, pesticidas e fertilizantes. "Poderão ser aplicados no solo insumos em menor quantidade, durando mais tempo, algo que chamamos de liberação controlada no solo", destacou Mattoso. Com nanoestruturas de hidrogéis, o agricultor poderá diminuir em 80% o volume de insumos e evitar danos ambientais ou a contaminação do lençol freático, além de economizar na produção. O LNNA já faz pesquisa com polímeros (plásticos) biodegradáveis obtidos de fontes renováveis, que poderão ser usados em embalagens de vários tipos, diminuindo o consumo de plásticos sintéticos. COMEMORAÇÃOTatiana de Abreu SáDiretora-presidente em exercício da Embrapa"Esse laboratório mostra uma relação da agricultura com a ciência de ponta, trazendo um sinal de modernidade"Álvaro Macedo da SilvaChefe-geral da Embrapa Instrumentação"Por causa da globalização, o agronegócio precisa de mais eficiência"