Samuel L. Jackson defende Tarantino sobre termos racistas em filmes: 'apenas contando uma história'

Redação - O Estado de S.Paulo

Ator disse que usar uma palavra racista dentro do contexto da história é diferente de fazer piada para pessoas rirem

Samuel L. Jackson disse ser injusto usar Tarantino como exemplo do uso exagerado de termos racistas.

Samuel L. Jackson disse ser injusto usar Tarantino como exemplo do uso exagerado de termos racistas. Foto: Danny Moloshok/Reuters

Samuel L. Jackson defendeu o uso de palavras racistas em filmes de Quentin Tarantino. Ao jornal The Times, o ator explicou que esses termos fazem parte do contexto histórico e condenou quando são usados em forma de piada. 

"Eu acho que está tudo bem se a palavra for usada como um elemento da história, dos temas dela. Uma história de ficção é um contexto. Mas usar palavras derrogatórias só para arrancar uma risada de alguém? Isso é errado."

Ele condenou o uso desses xingamentos pelo podcaster Joe Rogan. "Ele não deveria ter dito isso. Não é o contexto, cara – é que ele estava confortável fazendo isso. Diga que sente muito porque quer manter seu dinheiro, mas estava se divertindo e assuma que fez isso porque era divertido."

Jackson já atuou em algumas obras de Tarantino, como Django Livre, filme ambientado em um período antes da abolição da escravidão nos Estados Unidos. Ele lembrou de como o ator Leonardo DiCaprio se incomodou com alguns termos usados nas cenas. 

"Quando estávamos ensaiando Django Livre, Leo [DiCaprio] disse: 'Eu não sei se consigo dizer essa palavra tantas vezes em uma cena'. Eu e Quentin respondemos a ele que era preciso."

A palavra em questão é o termo "nigger", que é um insulto racial direcionado a pessoas negras com teor altamente ofensivo e racista. É também conhecida como "the N-word"  ou "a palavra com N", em tradução livre.

"Sempre que alguém quer um exemplo de uso exagerado dessa palavra, eles citam Quentin, e isso é injusto. Ele só está apenas contando uma história e os personagens falam daquele jeito."