Rock in Rio é declarado Patrimônio Imaterial do Rio de Janeiro; relembre cinco patrimônios nacionais

Marcio Dolzan/ Rio e Sabrina Legramandi* - O Estado de S.Paulo

Lei que reconhece festival é estadual, mas Brasil possui mais de 50 patrimônios nos quatro cantos do País

Festival Rock in Rio foi reconhecido como Patrimônio Cultural Imaterial do estado do Rio de Janeiro nesta quarta-feira, 16.

Festival Rock in Rio foi reconhecido como Patrimônio Cultural Imaterial do estado do Rio de Janeiro nesta quarta-feira, 16. Foto: Rock In Rio

Um dos principais festivais do gênero do mundo, o Rock in Rio agora também é Patrimônio Cultural Imaterial do Estado do Rio. A distinção foi sancionada pelo governador Cláudio Castro (PL) e publicada em uma edição extra do Diário Oficial de quarta-feira, 16.

"Ao trazer artistas nacionais e internacionais que são ícones de diferentes estilos e gerações, o Rock In Rio demonstra sua relevância para a cultura e, além disso, ainda estimula a nossa economia. A lei reconhece a importância que o festival tem para o Estado", afirmou Castro, ao justificar a lei.

O Rock in Rio teve sua primeira edição em 1985, e este ano será realizado pela 9ª vez na capital fluminense. Além disso, o festival teve edições em Lisboa (Portugal), Madri (Espanha) e Las Vegas (Estados Unidos).

Além de Patrimônio Cultural Imaterial do Estado, o Rock in Rio poderá receber o mesmo reconhecimento na capital. Na semana passada, a Câmara Municipal aprovou projeto de lei neste sentido. Falta apenas a sanção do prefeito, Eduardo Paes (PSD).

Apesar de a lei que abrange o Rock in Rio ser própria do estado e não ter efeito em nível federal, o Brasil possui mais de 50 patrimônios nos quatro cantos do País.

 

 

Como são reconhecidos os Patrimônios Imateriais no Brasil?

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) é o órgão responsável por reconhecer e salvaguardar os Patrimônios Imateriais brasileiros. Ele é vinculado à Secretaria Especial da Cultura e ao Ministério do Turismo.

Bens como o Rock in Rio, a Festa do Divino Espírito Santo de Paraty e as Matrizes do Samba do Rio de Janeiro são registrados apenas no próprio estado por serem bens típicos e próprios do Rio de Janeiro.

Porém, celebrações e eventos que acontecem tanto no Rio quanto em outros estados do País, como o Ofício das Baianas de Acarajé, a  Roda de Capoeira e o Forró são reconhecidos nacionalmente pelo Instituto.

Para que uma celebração, um ofício ou um saber passe a ser um Patrimônio Imaterial Cultural, diversos estudos e pesquisas são desenvolvidos e a decisão final fica a cargo do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural.

Para relembrar todos os bens que já passaram por esse processo e são orgulhos nacionais, separamos cinco Patrimônios Culturais Imateriais reconhecidos pelo Iphan.

Confira:

 

 

Círio de Nossa Senhora de Nazaré

O Círio de Nossa Senhora de Nazaré também é reconhecido como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela Unesco.

O Círio de Nossa Senhora de Nazaré também é reconhecido como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela Unesco. Foto: Raimundo Pacc

O Círio de Nossa Senhora de Nazaré é uma celebração que ocorre no segundo domingo de outubro há mais de 200 anos.

Ele acontece em Belém, no Pará, e também em outros municípios do estado, como Acará, Curuçá, Parauapebas e São João.

Além de ser uma demonstração de devoção a Nossa Senhora de Nazaré, o evento também é uma manifestação social e política e reúne, devotos, turistas e curiosos todos os anos.

O Círio é uma das maiores concentrações religiosas do mundo e, em 2013, passou a ser considerado Patrimônio Cultural da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

 

 

Ofício das Baianas de Acarajé

O Ofício das Baianas do Acarajé abrange desde a preparação até a venda do prato.

O Ofício das Baianas do Acarajé abrange desde a preparação até a venda do prato. Foto: Iara Morselli/ ESTADÃO

Conhecido por ser amplamente disseminado pelas ruas de Salvador, na Bahia, o acarajé é um bolinho de feijão-fradinho frito com azeite de dendê e recheado com camarões.

A receita teve origem no Golfo do Benim, na África Ocidental, e foi trazida ao Brasil pelos escravos vindos da região.

A prática é ligada ao culto aos orixás e, geralmente, é feita nas ruas por mulheres que se vestem de branco e usam colares, turbantes e panos para simbolizar a religiosidade ligada ao candomblé.

O Ofício das Baianas de Acarajé abrange desde o preparo até a venda da comida típica e foi reconhecida como Patrimônio Imaterial em 2005.

 

 

Frevo

O Frevo também é um Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade reconhecido pela Unesco.

O Frevo também é um Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade reconhecido pela Unesco. Foto: Felipe Rau/ESTADÃO

O Frevo foi reconhecido como Patrimônio Imaterial Cultural pelo Iphan em 2007 e se refere à dança e à expressão cultural que acontece durante o Carnaval, principalmente em Recife e Olinda, em Pernambuco.

As músicas do Frevo possuem três modalidades: frevo de rua, frevo de bloco e frevo-canção. Com o surgimento da trilha sonora, foi criada a dança frenética característica da expressão.

Em 2012, o Frevo também passou a ser um Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade reconhecido pela Unesco.

 

 

Modo artesanal de fazer Queijo Minas

O Queijo Minas é feito, principalmente, nas regiões do Serro, da Serra da Canastra e do Salitre, em Minas Gerais.

O Queijo Minas é feito, principalmente, nas regiões do Serro, da Serra da Canastra e do Salitre, em Minas Gerais. Foto: Raphael Calixto

O modo artesanal de fazer Queijo Minas foi reconhecido como Patrimônio Imaterial em 2008 e se refere à produção de queijo nas regiões do Serro, da Serra da Canastra e do Salitre, em Minas Gerais.

As bases originais da tradição vieram de Portugal, mas a produção foi se transformando ao longo do tempo e ganhando as características de cada região.

Hoje, o Brasil possui inúmeros modos de produzir Queijo Minas, que ganham inúmeras aparências e sabores específicos.

 

 

Matrizes Tradicionais do Forró

O Forró foi reconhecido como Patrimônio Imaterial pelo Iphan no ano passado.

O Forró foi reconhecido como Patrimônio Imaterial pelo Iphan no ano passado. Foto: Taba Benedicto/Estadão

Reconhecidas como Patrimônio Cultural Imaterial brasileiro no ano passado, as Matrizes Tradicionais do Forró são as práticas que inspiram músicos e forrozeiros contemporâneos.

Com forte presença nos estados da região Nordeste, o Forró também se relaciona com diversas celebrações brasileiras, como a Festa Junina.

*Estagiária sob supervisão de Charlise de Morais