Restaurante em casa

Ciça Vallerio - O Estado de S.Paulo

Personal chefs são aqueles profissionais que cozinham em festas, na casa do anfitrião. Conheça alguns nomes

Quer convidar os amigos para um almoço ou jantar, mas sem ter de perder tempo na cozinha? Então chame o personal chef. Geralmente, esses profissionais preparam um cardápio especial, pilotam o fogão, enquanto o anfitrião se diverte com os convidados. Hoje existem várias pessoas que tiram seu sustento dessa forma. A nutricionista Márcia Réa largou o emprego em uma empresa, na qual administrava o restaurante, para se dedicar a esse novo e atrativo filão. "Quando percebi que, em dois eventos que fiz num mesmo fim de semana, ganhei quase o meu salário de um mês, decidi apostar de verdade nesse novo trabalho", conta Márcia, de 29 anos, que tem cursos de culinária no currículo. "Além da questão financeira, adoro cozinhar e é gratificante ver os convidados se deliciando com os pratos e, depois, receber os elogios."Esse é o tipo de profissão que começa sem querer. Márcia, por exemplo, foi convidada pela irmã para cuidar do menu da festa de aniversário dela. A pedido da aniversariante, ela preparou um cardápio mexicano. Os convidados gostaram tanto que a nutricionista passou a ser escalada para cozinhar em outras festas.Cada profissional tem seu estilo e preço. É comum o anfitrião determinar o cardápio, mas também pode pedir sugestões ao personal chef, que providencia todos os produtos. Alguns incluem bebida, outros deixam por conta do dono da casa. Podem disponibilizar louças especiais ou indicar quem as aluga. Há quem deixe a cozinha limpinha, só indo embora após o último convidado. Mas tem cliente que prefere que o cozinheiro saia de fininho, assim que os pratos forem servidos. O preço é calculado por pessoa, após definição do cardápio. "Como preparamos todo o cardápio no dia do evento e na cozinha de quem contrata, faço questão de conhecer o espaço antes, para saber das condições de trabalho", fala a chef Lúcia Sequerra, de 42 anos, dona do bar e restaurante Santa Madalena. Tamanha preocupação tem motivo: a primeira vez que Lúcia fez um almoço fora foi na cozinha de uma empresa, que era minúscula e pessimamente equipada. Sem hesitar, encarou a empreitada, se adaptando ao que tinha no momento. Não só passou pelo teste como nunca mais parou. A chef, com formação em escolas gastronômicas da Europa, divide seu tempo entre seu restaurante, onde é a responsável pelo cardápio, e essa nova empreitada. "Virou mais uma fonte de renda, é prazeroso e funciona basicamente pelo boca a boca." Chef exclusivaVanessa Tréfois, de 30 anos, que se formou em escolas européias e trabalhou na cozinha de restaurantes famosos da França, Itália, Espanha e Japão, também já tem sua clientela doméstica. "Sou contratada por quem aprecia muito gastronomia e quer oferecer um evento personalizado e requintado." O serviço costuma sair pelo mesmo valor de um restaurante top de linha, só que é o anfitrião quem paga a conta. "A cada prato servido, vou à mesa para explicar sua história e falar sobre seu preparo. Já recebi até aplausos. Por isso não pretendo ter um restaurante, desejo comum entre os chefs. O meu negócio é preparar cardápios especiais."Nesse ramo, existem vários tipos de preços. Claro que, quanto mais estrelas o profissional ostentar, mais alto o valor. Mas há cozinheiras de mão cheia, que aprenderam na raça a preparar os mais diversos tipos de pratos e oferecem preços mais, digamos, suaves. A baiana Ledinólia Jesus da Conceição, de 45 anos, mais conhecida por Lady, aperfeiçoou seus dotes culinários em casas de abonados. Depois, encarou fogões industriais de restaurantes. Hoje, trabalha como cozinheira de uma família e, nos fins de semana, faz eventos na casa das pessoas"Quando fui convidada por um freguês do restaurante para preparar os pratos de um almoço de sábado, para mais de 100 pessoas, fiquei preocupada, apesar da minha experiência em cozinhar para tanta gente", lembra Lady. "Levei três amigas como ajudantes e dois rapazes para trabalharem de garçom. Preparei três tipos de bacalhau, além dos acompanhamentos e sobremesas. Só saí de lá no domingo, com a cozinha limpinha. Amo cozinhar e foi uma experiência e tanto. Depois, peguei gosto e nunca mais parei."