Recém-criada, sociedade quer popularizar área

Alexandre Gonçalves - O Estado de S.Paulo

Em agosto, foi criada a Sociedade Meteorítica Brasileira (SMB). O geólogo Rodrigo Sato, presidente da instituição, sonha com uma publicação nacional semelhante ao Meteoritical Bulletin, dos EUA, para registrar os achados no País.A SMB também pretende auxiliar na descoberta de crateras. "Vamos quadricular o Brasil e voluntários poderão investigar cada parte no Google Earth", explica Sato. "Organizaremos expedições para visitar os lugares onde há indícios fortes de crateras."O geólogo promove o site brasileiro Space Rocks que vende meteoritos. O preço varia de R$ 5 a R$ 1 mil. São realizadas algumas dezenas de transações mensais. Dono de uma coleção com 600 exemplares, o geólogo pretende deixá-la exposta no Museu de Geociências, que será criado em Florianópolis (SC) com o apoio do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Crea-SC).