Quem é Lélia Salgado

- O Estado de S.Paulo

A grande parceira de um dos fotógrafos mais importantes do mundo, Sebastião Salgado, desempenha um papel fundamental não somente no mundo das imagens, mas também no Instituto Terra, ONG cujo foco é a preservação ambiental no Brasil

Ecológica e engajada. Lélia lidera um trabalho de peso para a educação e recuperação ambiental. Foto: Arquivo pessoal

 

 

A cada Natal, o desapontamento de Lélia Deluiz Wanick Salgado aumentava. Era nessa época que costumava visitar a fazenda dos sogros e, com as chuvas recorrentes, a terra vinha morro abaixo. "A Mata Atlântica, que antes existia, havia desaparecido e isso me entristecia muito", lembra Lélia.

 

O desencanto acabou no início dos anos 1990, quando decidiu comprar a fazenda dos sogros, de nome Bulcão, junto com o marido, o fotógrafo Sebastião Salgado, com quem está casada há 43 anos.

 

Lélia logo percebeu que somente a restauração não seria suficiente. "Sem conservação, educação ambiental e desenvolvimento, a restauração não se sustenta. Então tivemos de ir mais além." A iniciativa, que se iniciou a partir dessa tomada de decisão, mudou não somente a situação local, mas também a de toda a região da fazenda, instalada em Minas Gerais.

 

 

Confira outras matérias do Feminino:

Uma pegada rebelde

A mulher do padre

Casamentos modernos

 

 

Em abril de 1998, o casal fundou o Instituto Terra, que hoje está perto de concluir um projeto de recuperação de Mata Atlântica sem precedentes no Brasil em termos de área contínua. Os programas do Instituto tomaram tal magnitude que saltaram as cercas da Fazenda Bulcão, onde fica sua sede, e passaram a englobar, além de Minas, os estados de Espírito Santo, Bahia e Rio de Janeiro. Produtores rurais participam de cursos e programas para o desenvolvimento sustentável da região do Vale do Rio Doce.

 

Ações de educação ambiental são implementadas nas escolas da região. O Projeto Terrinhas, que forma monitores mirins, foi selecionado duas vezes pela Unesco como uma iniciativa modelo de educação ambiental.

 

"Sem as empresas parceiras, nada seria possível", diz Lélia, por telefone, de sua casa em Paris, onde mora com o marido e o filho Rodrigo, de 30 anos, portador de Síndrome de Down. O casal vem várias vezes por ano ao Brasil.

 

 

Álbum de família. Lélia e Sebastião com os filhos, na Filadélfia, EUA, em 1993, e no dia do casamento, em 1967. Fotos: Arquivo pessoal

 

 

Fotografia. Além de presidir o Instituto Terra, Lélia coordena a Amazonas Image, que criou em 1994 com o marido. Trata-se de uma agência fotográfica que cuida exclusivamente do trabalho de Sebastião. " Eu adoro a fotografia para contar histórias, pois a minha formação é mais artística. Já o Sebastião era economista", reflete.

 

É Lélia quem cuida, por exemplo, das exposições de fotos do marido em museus do mundo todo, além dos livros e cenografias. "Editei e desenhei muitas das publicações de fotografias de Salgado. E todos foram acompanhados de exposições organizadas por mim e apresentadas em museus do mundo inteiro", revela ela, que, no passado, já editou também centenas de pranchas de contato de Henri Cartier Bresson, sobre a Índia e a Grécia, para livros e exposições.

 

No momento, Lélia trabalha em um dossiê com a relação de museus onde será apresentado o novo trabalho de Sebastião Salgado, Gênesis. O cronograma de exposições já tem data para começar. "Vai ser em outubro de 2012 (mas não definiu ainda em qual país será). Faz sete anos que Sebastião está fotografando lugares que ainda não sofreram intervenção humana, animais que não foram domesticados, povos que vivem da mesma maneira há séculos. É bem difícil chegar a esses lugares, uma verdadeira expedição", conta Lélia, que, muitas vezes, viaja com o marido.

 

Trajetória. Lélia nasceu em Vitória, no Espírito Santo, estudou música - teoria e piano no conservatório. Iniciou sua vida profissional cedo, aos 17 anos, quando se tornou professora primária e de piano. Apaixonada pela França, matriculou-se no curso da Aliança Francesa, onde conheceu Sebastião Salgado, em 1964. Três anos mais tarde, casaram-se e foram morar em Paris.

 

"Viemos estudar. Na época, a situação política no Brasil era muito difícil, nós militávamos contra a ditadura", relata Lélia. Moraram na Cidade Luz enquanto Lélia cursou Arquitetura na Ecole National Supérieure de Beaux Arts e Urbanismo na Universidade Paris VIII.

 

Após o nascimento do segundo filho, parou de trabalhar em arquitetura e urbanismo. "Foi aí que voltei a organizar os arquivos de Tião. Depois fui convidada para fundar a revista Photo Revue. Fundamos mais outro título, Longue Vue, dirigi a galeria de fotos da Agência Magnum, trabalhei com Bresson, criei meu próprio negócio de organização de eventos culturais em fotografia... Nossa, já fiz muita coisa nessa vida!"

 

 

 

FRUTOS DO INSTITUTO TERRA

 

Mais de 1,5 milhão de mudas de árvores foram plantadas.

 

A jovem floresta abriga mais de 293 espécies vegetais.

 

Dos 608,89 hectares recuperados, faltam ainda 100, trabalho que deverá ser concluído até janeiro de 2012.

 

O viveiro próprio do Instituto produz cerca de 1 milhão de mudas por ano.

 

Oito nascentes da fazenda foram recuperadas e, hoje, mesmo em períodos de seca, apresentam vazões em torno de 20 litros por minuto.

 

Há 172 espécies de aves, 33 espécies de mamíferos, 15 espécies de anfíbios e 15 espécies de répteis na área do Instituto.

 

200 produtores rurais são atendidos pelos programas desenvolvidos pela instituição.

 

O programa Cera (Centro de Educação para Recuperação Ambiental) já capacitou mais de 20 mil pessoas, entre agricultores, estudantes, professores, profissionais e técnicos ligados à questão ambiental.

 

Comunidades de 167 municípios, de Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia e Rio de Janeiro, são atendidas.

 

Mais de 400 professores dos ensinos público e privado foram capacitados pelo Programa Meio Ambiente na Educação, que implementa diretrizes de educação ambiental nas escolas dos municípios.

 

O Projeto Terrinhas já formou mais de 3,2 mil alunos.

 

 

 

OPINIÃO

 

Sebastião Salgado, fotógrafo e marido de Lélia

"A admiração que eu tenho por ela é a mesma do primeiro dia em que a conheci. Ela é o amor da minha vida. Tive muita sorte. Ela tem um lado humano maravilhoso. O carinho com o qual ela cuida da nossa família, do seu entorno, a preocupação social, comunitária, ecológica... Ela tem o mesmo corpo do dia do nosso casamento. É linda. Tem muita energia. É elegante. É socialmente justa. É solidária. Tem uma preocupação ecológica muito séria. Me emociona falar da Lélia."