Qual é qual?

- O Estado de S.Paulo

Acesulfame de potássio: pessoas que necessitam limitar a ingestão de potássio (K) só devem consumi-lo após consulta médica. Geralmente, é associado a sacarina e ciclamato de sódio. Marcas: Assurgin e Doce Menor. Ciclamato de sódio: alguns estudos da década de 1970 apontaram efeitos carcinogênicos no ciclamato de sódio em ratos. Por isso, é ilegal nos Estados Unidos, Inglaterra, França e Japão. Em mais de 50 países, incluindo o Brasil, seu uso é autorizado. Costuma ser combinado com a sacarina. Marca: ZeroCal. Estévia: derivada da planta de mesmo nome, já era utilizada pelos índios tupis-guaranis. Em geral, é associada a outros adoçantes e, por isso, deixa de ser "natural". Há poucos estudos para assegurar o seu uso. Marcas: Stevita (pura) e Good Light. Sacarina: geralmente associada ao ciclamato, tem poder edulcorante 200 a 700 vezes maior do que a sacarose, presente no açúcar. Foi descoberta em 1879 e era utilizada inicialmente como anti-séptico e conservante. Os adoçantes feitos de ciclamato e sacarina têm gosto amargo, mas são os mais baratos. Marca: ZeroCal. Sucralose: é o único que deriva da cana, por isso, tem um sabor considerado mais próximo ao do açúcar refinado. Pode ser consumido com segurança por diabéticos, gestantes e por pessoas de qualquer faixa etária e estado fisiológico. Marca: Linea (com acesulfame-K). Aspartame: feito com proteínas naturais, possui sabor mais próximo do açúcar, em comparação com sacarina e ciclamato. Geralmente é associado ao sorbitol extraído das frutas. Marcas: Finn e Gold. Frutose: extraída de frutas e do mel, possui algumas calorias. Especialistas não recomendam seu uso por diabéticos, porque favorece a elevação do colesterol. Marcas: Doce Menor e Lowçucar. Fonte: Sociedade Brasileira de Diabetes