Procurador aponta desvios

- O Estado de S.Paulo

O aumento de caixa de nada vai adiantar caso não venha acompanhado da moralização da gestão do SUS, adverte o procurador regional da República em São Paulo, Marlon Weichert. "Boa parte da verba aplicada no sistema é desviada ou usada de forma inadequada", garante. Ele observa que, embora não faltem notícias sobre uso incorreto dos recursos, o sistema de auditoria é falho. A começar pelo próprio Departamento Nacional de Auditoria do SUS, o Denasus. Desde a sua criação, o Denasus trabalha com funcionários que vieram do antigo Inamps. Nenhum concurso foi realizado para compor seus quadros. A idade média dos fiscais ultrapassa 50 anos. Muitos já se aposentaram. Em 1997, havia 1.226 fiscais. Hoje são 661 servidores.