Procura em SP foi 10 vezes maior no final de semana

- O Estado de S.Paulo

O medo de uma epidemia de febre amarela lotou, em pleno domingo, postos de vacinação em diversos Estados. Em São Paulo, os postos dos Terminais Redoviários Tietê e Barra Funda tiveram de trabalhar em esquema de plantão ontem para atender à demanda, 10 vezes maior do que o normal. Filas formaram-se durante todo o dia e cerca de mil doses foram aplicadas. Na manhã de domingo, quem procurou o posto na rodoviária do Tietê aguardou por até duas horas. "Muitas pessoas estão indo se vacinar sem necessidade. A dose deve ser aplicada apenas em quem vai viajar para as áreas de risco e zonas endêmicas.", afirma a enfermeira-chefe do instituto Pasteur, Alzira Cardoso.Os postos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) dos aeroportos de Congonhas e Cumbica não funcionaram ontem. Durante o sábado, a procura foi grande, com filas de espera de até 6 horas. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, a vacina contra a febre amarela é aplicada em todas as 407 Unidades Básicas de Saúde (UBS). Em Campinas, cerca de 100 pessoas por dia têm procurado os postos de saúde em busca da vacina depois da notificação de um paciente com suspeita da febre em Santa Barbara d''''Oeste, anteontem. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde de Campinas, a rotina da vacinação é de 4 a 5 doses. Por causa do período de férias, a secretaria dispõe de doses em quantidade suficiente para atender à demanda.A Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso pediu ao Ministério da Saúde 100 mil doses extras para prevenir a população contra a doença. De 1992 a 2006, 22 casos de febre amarela foram constatados na região.Em 2007, o Estado não apresentou nenhum caso da doença. Está sendo investigado o caso de uma paciente de 22 anos, morador de Barra do Garças, que visitou o Estado de Goiás (área de risco), onde ocorreu contaminação de macacos. BRUNA FASANO, NELSON FRANCISCO E ROSE MARY DE SOUZA