Primeiros colocados têm renda alta

Lisandra Paraguassú - O Estado de S.Paulo

O vestibular unificado das Universidades Federais, com base em um novo Enem, poderá facilitar a vida dos estudantes, aumentar a mobilidade regional e até melhorar a educação básica, mas dificilmente trará um novo perfil de aluno para as universidades públicas. Como nos vestibulares tradicionais, no Enem os primeiros lugares são de alunos de classe média e alta.Uma versão preliminar do relatório 2008 do Enem mostra que 80% dos estudantes com renda familiar de até um salário mínimo acertaram menos de 40% da prova (desempenho insuficiente). O resultado mínimo para ser considerado a uma das vagas do programa Universidade Para Todos (ProUni), direcionado aos mais pobres, é acertar 40% do teste. Apenas 2% dos mais pobres alcançaram a faixa de bom a excelente. Os melhores resultados ficaram com os alunos com renda familiar entre 30 e 50 mínimos. Cerca de 40% acertaram entre 70% e 100% do Enem 2008. Os resultados se repetem entre os que frequentaram apenas a escola pública. Entre aqueles com renda até um mínimo, menos de 1% conseguiu alcançar os melhores resultados. Já entre os com renda mais alta, 27,7% acertaram mais de 70%. Os dados, no entanto, confirmam que os egressos de escola pública, independentemente da renda, têm problemas na sua formação. Mesmo nessa faixa de renda, 34% acertaram menos de 40%.