Preso grupo que traficava emagrecedor

Eduardo Kattah e Emilio Sant?anna - O Estado de S.Paulo

PF realiza para desarticular organizações que vendiam remédios ilegais pela internet; 10 pessoas foram detidas

Belo Horizonte - A Polícia Federal prendeu ontem dez pessoas e fez apreensões durante a Operação Vênus, realizada em três Estados (Minas, São Paulo e Roraima) para desarticular uma organização acusada de tráfico internacional de drogas, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro, entre outros crimes. As investigações da PF e do Ministério Público Federal levaram à identificação de uma quadrilha que produzia e exportava o controlador de apetite Emagrece Sim, vendido como fórmula natural para emagrecer e conhecido no exterior como "brazilian diet pills". Sem autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o Emagrece Sim era comercializado pela internet e distribuído principalmente para os Estados Unidos. Embora apresentado como produto fitoterápico, 100% natural, exames comprovaram a presença de tranqüilizantes e anfetaminas na fórmula. Em janeiro do ano passado, o produto foi proibido nos EUA, após um estudo do Food and Drug Administration (FDA), a agência americana que regula alimentos e remédios. Laudo da Fundação Ezequiel Dias (Funed) de dezembro de 2005 já havia atestado a presença de substâncias que podem causar dependência física e química. No Brasil, essas substâncias são controladas e só podem ser vendidas com apresentação de receita médica. Embora o laboratório onde eram fabricados os produtos - em Contagem, na Grande Belo Horizonte - tenha sido interditado em janeiro de 2006 e a Anvisa tenha determinado a apreensão do Emagrece Sim em todo o País, o controlador de apetite continuava sendo vendido pela internet. Num site, havia a promessa de "entregar o segredo brasileiro", "15 dias de teste gratuito" e "um mês de tratamento por US$ 99,95".Além da venda de medicamentos pela internet ser ilegal, pode trazer sérias conseqüências para os consumidores. Como esses produtos não têm registro na Anvisa, não existem garantias sobre sua qualidade e eficácia nem segurança. "Os itens sem registro não garantem nada", diz o gerente-geral de inspeção da Anvisa, Roberto Barbirato. Ele explica que os medicamentos naturais também devem receber maior atenção. "As pessoas têm o falso conceito de que tudo o que é natural não faz mal." FÁBRICA NO EXTERIORDos 11 mandados de prisão temporária expedidos pela Justiça Federal em Belo Horizonte, apenas um não havia sido cumprido até o início da noite de ontem. Os policiais não encontraram Claudina Rodrigues Bonfim, de 37 anos, apontada como chefe do grupo e empresária responsável pelo Emagrece Sim. "A Claudina tinha a intenção de transferir o seu comércio ilegal para a Venezuela", disse o delegado Jader Lucas Gomes. "É uma pessoa muito audaciosa, que desafiou a polícia ao continuar as atividades enquanto era investigada", reforçou o procurador Rodrigo Leite Prado.Segundo ele, o esquema já estava sendo investigado pelo Drug Enforcement Administration (DEA), departamento americano de combate às drogas. O procurador explicou que a quadrilha usava contas em nome de sobrinhos menores de idade da empresária para recebimento de dinheiro do exterior.EM FAMÍLIADos oito suspeitos presos em Belo Horizonte, sete são parentes de Claudina - seis irmãos e uma sobrinha. Os policiais também prenderam um ex-operador de câmbio, que viabilizava o recebimento dos valores decorrentes da exportação ilegal.Em Roraima, foi preso um jovem de 23 anos, morador de Pacaraima, na fronteira com a Venezuela. Conforme a PF, ele foi cooptado pela quadrilha e era o responsável por atravessar a fronteira com grandes cargas de Emagrece Sim. O dono de uma transportadora também foi preso em São Paulo, acusado de viabilizar a exportação do produto.Os policiais cumpriram mandado de busca e apreensão na casa de Claudina. Os agentes federais apreenderam no local automóveis de luxo, obras de arte e documentos. No laboratório, a PF apreendeu 2 mil frascos de anfetaminas e equipamentos. Fiscais também fizeram buscas em uma farmácia de manipulação que seria de Claudina. A PF informou que outros 2 mil frascos do remédio foram encontrados em São Paulo e 20 mil em um ônibus que seguia de BH para a capital paulista. ?BONDE ANDANDO?Assuero Silas Amaral, advogado do laboratório, afirmou que a empresa estava sendo regularizada. Ele negou que o laboratório ou seus sócios tenham mantido a venda do Emagrece Sim. "Há quase 20 sites que não conhecíamos. Quem pegou isso aí pegou o bonde andando e foi vendendo, fabricando".