PF localiza falsa droga antileucemia

Marcelo Auler, RIO - O Estado de S.Paulo

Lote adulterado de Glivec, da Novartis, foi apreendido em Vitória e Porto Alegre; distribuidoras do Rio foram fechadas

Um lote falsificado do remédio Glivec, medicamento essencial à sobrevida dos portadores de leucemia, foi identificado na semana passada em uma clínica de Vitória (ES) e numa distribuidora de medicamentos de Porto Alegre (RS). Ontem, a Polícia Federal e a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) interditaram no Rio as distribuidoras de remédio OnConeo Comércio Produtos Médicos Hospitalares Ltda. e a Nova Vitória Distribuidora de Medicamentos, que teriam sido responsáveis pela remessa dos medicamentos falsificados à clínica capixaba.Segundo o delegado federal Hilton Coelho, da Delegacia de Repressão a Crimes Contra o Patrimônio, o uso do medicamento falsificado pode levar os pacientes com leucemia à morte. O lote identificado como falso em Porto Alegre e em Vitória é o Z 0047.No comprimido verdadeiro estão impressas algumas letras. O falsificado é liso. A cartela que contém os comprimidos (blister) verdadeiros não é brilhante, enquanto as que embalam os comprimidos falsos foram fabricadas em papel alumínio mais brilhoso.O delegado Coelho informou que não foram encontrados os medicamentos falsificados nas buscas realizadas ontem em três endereços. Mas diversas irregularidades nas duas distribuidoras levaram a Anvisa a interditá-las. Na Nova Vitória, cujo escritório fica no Largo de São Francisco, no centro da cidade, uma quantidade grande de remédios foi apreendia para que a Anvisa analise se estão regulares ou não. No mesmo endereço funciona a New Victory II, de propriedade de Miguel Anjos Santos Jacob. Ele saiu da sociedade da Nova Vitória, que permaneceu em nome de familiares.VIA CORREIOA notícia dos remédios falsos foi dada pela Anvisa na semana passada à PF. Os medicamentos que chegaram a Porto Alegre partiram da Primus Importadora e Exportadora, que fica na cidade paulista de Barueri. Os recebidos pela clínica no Espírito Santo foram enviados por correio pela Nova Vitória, mas a encomenda tinha sido feita à OnConeo, cujas lojas situadas em shopping de Copacabana também foram interditadas.Na operação de ontem, a PF apreendeu grande quantidade de documentos e computadores. Agora, segundo o delegado, será feita uma investigação para descobrir onde os remédios falsificados foram fabricados.O Glivec é produzido pelo laboratório Novartis Biociência S.A., uma multinacional suíça com sede em São Paulo. Ele só pode ser vendido a clínicas e hospitais pelo fabricante ou por distribuidoras de medicamentos. Uma caixa com 30 comprimidos pode custar de R$ 6 mil a R$ 8 mil.