Para ela, o peso de ser a ?outra?

Agencia Estado - O Estado de S.Paulo

Atire a primeira pedra quem nunca condenou. E arremesse outra caso você já não tenha vivido uma dessas situações. A mulher que mantém um relacionamento no qual ela é a amante sofre muitos preconceitos, inclusive da própria família. A ?outra? é desvalorizada, estigmatizada, vista como uma fracassada. Mas, quando chega a sua vez de se defender, a antropóloga Mirian Goldenberg encontrou, na maioria dos depoimentos das ?filiais? , críticas severas à ?matriz?. ?Em sua auto-análise, ela condena a ?mulher oficial? como interesseira e oportunista. Mas a sociedade a condena de todas as formas.? Em todos os estudos científicos sobre a infidelidade, Mirian identificou que ?ser única? é uma exigência inclusive das próprias amantes. ?Elas acreditam que eles não transam com suas respectivas esposas. Que não são felizes, incompletos e reservam todas as coisas boas apenas para elas.? Fora das quatro paredes, grande parte da população parece não aceitar as justificativas apontadas pelas ?outras?. Só para se ter uma idéia de como este personagem é visto, veja a declaração da dona de casa e esposa Genilda Ferreira, de 39 anos: ?Ser amante? É uma safadeza sem tamanho. A mulher que cruza o caminho de um casal não tem capacidade para ser feliz por conta própria?. E Genilda não foi a única...