Papa diz que família é principal ''''agência da paz no mundo''''

Cidade do Vaticano - O Estado de S.Paulo

Em mensagem de ano-novo, Bento XVI defende modelo católico tradicional

O papa Bento XVI criticou ontem, em sua primeira aparição pública de 2008, as políticas que atacam a estrutura da família tradicional, que chamou de "a principal agência da paz no mundo". Ele também afirmou que existem "densas nuvens" sobre o futuro da humanidade, especialmente a corrida armamentista, inclusive nuclear, e a destruição ambiental.Bento XVI rezou o Ângelus na frente de uma multidão reunida na Praça de São Pedro, após celebrar a primeira missa do ano-novo na basílica, a terceira como papa. Segundo ele, "vastas regiões do planeta estão envoltas em tensões crescentes", especialmente na África e no Oriente Médio, "e o perigo de que aumente o número de países com armas nucleares suscita em toda pessoa uma preocupação fundamentada"."Nações em desenvolvimento destinam uma parte importante de seu escasso Produto Interno Bruto para comprar armas", afirmou. O papa pediu aos países que cheguem a "acordos concretos para que haja uma desmilitarização eficaz, sobretudo no campo das armas nucleares, com o desmantelamento progressivo e acordado das armas existentes".Para Bento XVI, a outra "densa nuvem" que paira sobre as cabeças humanas é a crise ambiental. Ele pediu aos católicos que protejam a natureza porque "foi confiado ao homem que cuide e cultive com liberdade responsável, tendo sempre como critério orientador o bem de todos".A Prefeitura da Casa Pontifícia divulgou que, no ano passado, 3.222.820 pessoas passaram pelo Vaticano - 392.720 a menos do que em 2006.TRADICIONALISMOOntem, Dia Mundial da Paz, o papa disse que a família - nos moldes marido e mulher de sexos opostos, casados pela Igreja Católica - é uma das mais importantes e "insubstituíveis" fundações que existem. A defesa dessa estrutura tem sido uma das principais cruzadas de Bento XVI, especialmente na Europa, onde o casamento gay e outras formas informais de união têm avançado."Quero deixar clara a relação direta que existe entre a família e a paz no mundo. O mesmo amor que constrói e une a família é o que favorece a solidariedade e a colaboração entre os povos da Terra", disse. "Aqueles que são hostis, mesmo inconscientemente, à instituição da família tornam a paz frágil para toda a comunidade nacional e internacional."O Vaticano recentemente condenou a posição de dois países europeus tradicionalmente católicos: a Itália, cujo governo de centro-esquerda reconheceu legalmente as uniões estáveis, gays e heterossexuais, e a Espanha, cujo governo socialista reconheceu o casamento homossexual e facilitou o divórcio. No domingo, milhares de católicos espanhóis fizeram uma manifestação a favor da família tradicional. O papa participou remotamente, a partir de uma videoconferência ao vivo. AP, EFE E REUTERS