Pais não foram informados do problema no pré-natal

- O Estado de S.Paulo

Cento e vinte quilômetros de estradas esburacadas separam Sueny, moradora de Cuité, a 240 km de João Pessoa, e Maria Rita, de Campina Grande, segunda maior cidade da Paraíba. A professora e a dona de casa são mães dos dois bebês que nasceram nos últimos dois anos no Estado com malformações suspeitas da síndrome da talidomida, que resulta em redução de membros.

O pai de Ana Clara, Ítalo, professor de jiu-jítsu, afirma que depois da "pancada", a descoberta da malformação, passou a defender mais ainda o respeito às pessoas com deficiências. "Quando falam aleijado do meu lado, não deixo." Tatuou bem grande nas costas: "Ana Clara, presente de Deus."