Paciente pode cobrar dados, afirmam infectologistas

Fabiane Leite - O Estado de S.Paulo

A Sociedade Brasileira de Infectologia lançou campanha para alertar a população, profissionais e serviços de saúde sobre a necessidade de controle das infecções hospitalares.O presidente da entidade, Juvêncio Furtado, defendeu que todas as pessoas, antes de uma internação, procurem saber as taxas de infecção hospitalar da unidade onde serão alojadas. Segundo Furtado, de posse dos dados os pacientes podem consultar seu médico de confiança para saber se eles são aceitáveis para o tipo de cirurgia e paciente que o hospital recebe."As pessoas morrem em serviços de saúde, então devem cobrar o controle em qualquer hospital", disse Furtado em café da manhã com jornalistas na semana passada. Segundo ele, os dados podem não estar expostos na unidade, mas devem constar dos arquivos do hospital. "Existem ainda medidas simples que podem ser cobradas, como a de exigir que os profissionais lavem as mãos. Grande parte das pessoas, quando tem complicações no hospital, é a infecção o que mata".Nos EUA, as infecções hospitalares atingem 1,7 milhão de pessoas por ano e matam cerca de 100 mil. No Brasil não há dados apurados sobre o problema.Na campanha, a entidade conta com apoio de um laboratório farmacêutico multinacional que produz drogas contra infecções hospitalares.