Operação livra menina de até 20 convulsões por dia

- O Estado de S.Paulo

Bárbara Nunes da Silva, de 9 anos, ainda está com os cabelos curtos em razão da cirurgia de epilepsia feita em maio, em São Paulo. Até a operação, a menina chegava a ter 20 convulsões por dia. Depois da cirurgia, a família nunca mais teve sustos."Por causa das convulsões, ela quebrou braço, perna e dente, rasgou gengiva. Os tombos eram fortes. Tínhamos de ficar 24 horas por dia atentos. Nem ao banheiro podia ir sozinha", lembra a mãe, Vanessa Nunes da Silva.Bárbara está entre os 20% dos epilépticos que não conseguem resolver o problema com remédios. Ela esperou seis meses na fila até ser operada, pelo Sistema Único de Saúde (SUS), no Hospital Estadual Brigadeiro.A menina agora consegue se concentrar, tem liberdade para brincar sozinha e, no mês passado, pôde voltar a estudar, coisas que a epilepsia não permitia."Sem as convulsões, até a fisionomia dela mudou. Já não tem aquele rostinho de cansada, aquele olhar perdido. Eu, que sou mãe, consigo ver a diferença. Hoje ela é outra, mais esperta. Estamos todos mais felizes", diz Vanessa.