OMS confirma gripe suína como ameaça global

Jamil Chade - O Estado de S.Paulo

Organização Mundial da Saúde amplia alerta de 4 para 5 em escala que vai até 6; EUA registram uma morte

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou ontem que uma pandemia de gripe suína é "inevitável e iminente" e elevou o nível de alerta para 5, em uma escala que vai até 6. Mas, ao contrário do que ocorreu durante a Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars), em 2003, a OMS não decretou a interrupção de viagens, simplesmente porque concluiu que a contenção do surto já não é mais possível. "Está claro que não estamos vendo uma desaceleração do ritmo de proliferação do vírus. Ele continua a se espalhar", afirmou Keiji Fukuda, vice-diretor da OMS. Acompanhe o noticiário sobre a doença e veja a situação no mundoO nível 5 foi declarado depois que ficou comprovado que há uma "transmissão sustentável" nos Estados Unidos: pessoas que não estiveram no México já contraíram a doença e podem disseminar o vírus. "Verificamos que há uma transmissão sustentável em pelo menos dois países (EUA e México)", disse a diretora da OMS, Margaret Chan. O nível máximo de alerta será decretado se ficar comprovada em mais países essa transmissão independente da presença no foco original da gripe.Autoridades americanas confirmaram a primeira morte, de um menino de 2 anos, do Texas. Alemanha e Áustria confirmaram casos de infecção pelo vírus H1N1, enquanto a Costa Rica passou a ser o primeiro país latino-americano fora do México a registrar a doença. Foram confirmados 223 casos de gripe suína em 11 países: EUA (91, com 1 morte), México (99, com 8 mortes); Áustria (1), Canadá (13), Alemanha (3), Israel (2), Nova Zelândia (3), Espanha (4), Reino Unido (5), Suíça (1) e Peru (1). As confirmações são feitas após análise.A elevação do alerta significa que os governos terão de tomar uma série de novas medidas, como garantir mais recursos para o sistema de saúde.Para indivíduos, Margaret recomenda precaução: "muitos abraços e beijos não são necessários neste momento". O distanciamento social também pode ser o mais prudente em países duramente afetados. Isso inclui fechar escolas (como o México fez) e adiar reuniões de trabalho. Comer carne suína não é fator de risco.Mas a OMS evitou mais uma vez as medidas que tomou em 2003 para conter a Sars. Naquele momento, a entidade emitiu claras recomendações para que pessoas evitassem determinadas regiões. Desta vez, a ideia é que o impacto econômico de uma restrição seria ainda mais grave que o potencial efeito positivo na saúde.Em conversas com a direção da agência, Juan Roman Laporte, chefe da Divisão de Remédios Essenciais da OMS, questionou a decisão de sugerir que governos comprem Tamiflu, antiviral produzido pela Roche. Laporte afirma que não há evidência clínica ainda de que o Tamiflu possa ter uma eficácia contra a gripe suína que justifique a decisão de sugerir que governos montem estoques do remédio. Ontem, o porta-voz da entidade, Dick Thompson, voltou a declarar que o Tamiflu era um dos remédios indicados.O agravamento do alerta foi aprovado após reunião com centenas de cientistas de todo o mundo, incluindo brasileiros. A questão era tentar entender o comportamento do vírus e saber por que é tão agressivo no México e incide mais suavemente em outros países.O QUE É O NÍVEL 5 DA OMSÉ a constatação de que um vírus passou a ser transmitido em comunidades de mais de dois países e há iminência de pandemiaPara esse nível de alerta, a OMS recomenda: países afetados devem decretar estado de emergência, isolar doentes, fechar escolas e reduzir horas de trabalho, cancelar eventos de massa, desencorajar viagens (inclusive locais) e planejar vacinação; os outros países devem criar um plano, vigiar fronteiras e garantir recursos para remédios e equipamentos médicos