Olhos elegantes

Mariana Abreu Sodré - O Estado de S.Paulo

Over, vintage, colorido ou enfeitado. Inspire-se nesses modelos e escolha seus óculos para o próximo verão

A expressão eyewear (roupa para os olhos) explicita bem a importância dos óculos e sua forte relação com a moda. Não é de hoje que novos modelos de óculos escuros se destacam como objeto de desejo a cada verão. E o eleito da temporada 2007/2008 é, desde já, o Eight da grife Tom Ford (batizado assim porque sua armação parece o numeral oito deitado). De tamanho - e preço - exagerado, como manda a tendência over, e com ares retrô chique, estes óculos são vistos adornando tanto o rosto da ícone fashion Kate Moss quanto o de Sabrina Sato. São um hit dentro e fora do País e, segundo Francisco Ventura, proprietário da ótica Ventura, são os mais procurados em suas lojas. Na mesma linha retrô do Eight de Tom Ford, com ares vintage, está a releitura do modelo Wayfarer da Ray Ban, um sucesso dos anos 80 que agora agrada às modernas e rockers, com armações estampadas e coloridas. Cor, inclusive, é tendência em óculos. Em outras coleções, estava nas lentes e agora está nas armações que podem ganhar - ainda - detalhes como cristais swarovski (para as menos discretas) e outros mais. De verões passados, permanecem o clássico aviador (Angelina Jolie não tira o dela) e o sobrevivente máscara. Se estiver na dúvida quanto ao modelo que vai vestir bem o seu rosto, o especialista Francisco Ventura dá a dica: os óculos escuros devem cobrir ou ficar acima das sobrancelhas , e ir até 2/3 do comprimento do nariz. Para quem tem problema em acomodar os óculos na base do nariz, ele recomenda o uso de um suporte de silicone na área interna do meio dos óculos. Tratam-se daquelas "bolinhas" que alguns óculos têm entre a base nasal, que podem ser separadas ou aproximadas conforme a sua necessidade. "Não existe aquela história de que quem tem rosto oval só pode usar determinado modelo de óculos, e que quem tem rosto do tipo quadrado deve usar outro. Esta regra é balela, são poucas as pessoas que têm - ou conseguem identificar - rosto num formato X. Óculos é que nem roupa: é preciso provar para ver se serve", finaliza Ventura.