Novo arcebispo do Rio defende mais diálogo

Marcelo Auler - O Estado de S.Paulo

Ao tomar pose ontem à tarde na Arquidiocese do Rio, o bispo dom Orani João Tempesta, de 58 anos, defendeu a prática do diálogo, inclusive com crenças diferentes. "É possível o diálogo, o ecumenismo. É possível o diálogo com as culturas, com as pessoas de boa vontade que querem construir um mundo justo e humano", disse d. Orani durante a homilia da missa concelebrada por quatro cardeais, mais de 60 bispos e centenas de padres - não apenas do Rio, mas de Belém (PA), onde ele atuava antes. D. Orani, que substitui d. Eusébio Scheid, lembrou a diversidade existente na Igreja, mas destacou a necessidade da sua unidade. "Minha convicção é de que na diversidade de dons e carismas que temos na Igreja temos uma grande riqueza, mas que na unidade entre todos nós, fazemos a razão da própria evangelização, para que o mundo creia. Esta unidade é primordial no nosso tempo tão violento e intolerante", explicou. Ele deixou claro não ter trazido fórmulas e estar aberto ao diálogo. "Não trago soluções prontas para os diversos problemas, em especial a questão da violência, mas sim abertura para o diálogo que nos ajude a encontrar os melhores caminhos para possíveis soluções", explicou.Estavam presentes ao evento o governador em exercício do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), a governadora do Pará, Ana Júlia Carepa (PT), o prefeito do Rio, Eduardo Paes, além de representantes de cidades paulistas, como São José do Rio Pardo (terra natal do arcebispo) e São José do Rio Preto, diocese onde ele também atuou.