Nova 2ª fase da Fuvest gera críticas de educadores

BRUNA TIUSSU e ELIDA OLIVEIRA - O Estado de S.Paulo

A divulgação da lista de disciplinas da Fuvest para o terceiro dia de prova da 2ª fase, feita anteontem, trouxe surpresa para alunos e professores. Em alguns cursos, como Odontologia, há conteúdos distintos conforme a unidade para a qual o candidato concorre. Em Medicina, sai a prova específica de física e entra a de geografia. Já em Direito, entrará matemática.Para o coordenador do curso de Medicina da USP, Milton de Arruda Martins, a mudança sinaliza a busca por um candidato com formação plena. "É uma tentativa de abarcar todas as áreas de conhecimento, ao incluir uma disciplina de Exatas (química), de Humanas (geografia) e de Biológicas (biologia)", diz. Nem todos concordam. "É importante ter boa base das duas disciplinas. Acho até que poderiam incluir a geografia, mas não tirar a de física", diz o infectologista André Lomar, do Hospital Albert Einstein.O coordenador-geral de vestibular do Colégio Bandeirantes, Osmar Antônio Ferraz, vê outros problemas. "Num mesmo curso, temos critérios diferentes. Na Odontologia de Ribeirão Preto cobra-se química, física e biologia, enquanto em São Paulo, química, física e geografia", compara. "Isso mostra que a USP não tem uma política definida sobre qual candidato ela quer selecionar", diz Mauro Aguiar, diretor-geral do Colégio Bandeirantes. Em Direito, a inclusão de matemática também trouxe questionamentos. "O problema não é a disciplina em si, mas se serão feitas provas diferentes para cada curso, já que a matemática que interessa ao Direito é diferente da que interessa às Engenharias", diz Nicolau Marmo, coordenador-geral do Anglo Vestibulares.Para Marco Limas Gubitoso, membro do Conselho de Graduação da USP, as alterações na Fuvest foram precipitadas. "Não houve tempo de estudarmos as consequências", afirma.A assessoria da pró-reitoria de Graduação da USP informou que as unidades puderam escolher como compor a prova específica do terceiro dia da 2ª fase. Disse ainda que as mudanças foram aprovadas por unanimidade no Conselho de Graduação.