Notas caem em português e sobem em matemática

Simone Iwasso - O Estado de S.Paulo

O desempenho dos estudantes paulistas em língua portuguesa no Saresp de 2008 caiu em todos os níveis em comparação com a avaliação de 2007. Uma das explicações é o aumento na dificuldade da prova. Nesta última edição foram avaliados também conhecimentos de literatura e gramática - até então eram interpretação e leitura.Mesmo assim, na 4ª, 6ª e 8ª séries e no 3º ano do ensino médio, eles continuam no mesmo patamar, ou seja, permanecem nos níveis básicos, indicando que sabem parte do que é esperado. Como o Estado mostrou no mês passado, até na região centro-oeste da capital, a que teve a média mais alta, eles não localizam informações explícitas em uma reportagem.Em redação, no entanto, o desempenho foi bem melhor. Na 4ª série, 62% dos alunos estavam nos níveis adequado e avançado. Na 8ª foram 47% e no ensino médio, 59%. A redação é corrigida pelos próprios professores de português das escolas onde os alunos estudam, com base em critérios da pasta, como coesão e coerência. A Cesgranrio depois faz uma verificação da correção em 10% delas. Já em matemática houve um fenômeno inverso do ocorrido em português: as médias subiram em todos os níveis. Ainda assim, a melhora não foi suficiente para tirar os alunos dos níveis básico e abaixo do básico. Em outras palavras, eles melhoraram, mas estão longe de ter os conhecimentos desejados para a série em que estão."Temos muitas deficiências, um longo caminho a percorrer, mas esse trabalho já está sendo feito", afirmou ontem, emocionada, a secretária Maria Helena Guimarães. Na segunda, ela cede lugar ao ex-ministro Paulo Renato Souza, que tem maior peso político para a pasta. As notas de português e matemática são usadas para elaborar o Idesp, principal referência para o desempenho na rede e usado para pagamento de bônus aos professores.