''''Nos olhavam como se fôssemos bandidos'''', diz aluno

- O Estado de S.Paulo

Janir de Oliveira Souza Junior conta que policiais o escoltaram até ele comprar a passagem

O estudante de arquitetura da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Daniel Villas Boas e mais quatro amigos não se assustaram com o controle aleatório do policial alemão. Assim que desembarcaram em Berlim, vindos de Lisboa, tiveram que mostrar o passaporte. "Como os outros passageiros do nosso vôo tinham aparência de alemães, eles vieram direto até nós. E mostramos o passaporte tranqüilamente", recorda. Daniel achava que estava tudo certo, já que tinha um visto de estudante válido no Espaço Schengen. Ele também sabia que um brasileiro normalmente não precisa de visto para fazer turismo na Alemanha. Mas a viagem acabou mais cedo para eles, que tiveram que embarcar de volta a Lisboa após uma noite sem dormir e um dia inteiro "preso" na área de trânsito do aeroporto berlinense.Situação semelhante passou Janir de Oliveira Souza Junior, de 24 anos, que já tinha visitado várias capitais européias até ser impedido no mês passado de entrar em Berlim. "Na Itália, um policial chegou a olhar meu passaporte e devolveu, desejando boa viagem", lembra o estudante de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Santa Catarina. Ele está fazendo um intercâmbio de seis meses na Universidade de Almeria, na Espanha, e chegou a Berlim vindo de Roma, com o amigo Eduardo Seifert Scapini, de 20 anos, estudante de Agronomia. Os dois pretendiam visitar por três dias a capital alemã. "Na Alemanha, logo ao abrir nosso passaporte, o policial disse: ?Vocês vão ter de voltar para a casa?. Tomamos um susto e achamos até que iam nos mandar para o Brasil", diz Janir. Ele conta que tentaram contornar a situação, mostrando comprovante de matrícula na universidade, seguro de saúde internacional e carteira universitária, além de documentos de residência na Espanha. "Eles não queriam conversa. Desde o momento em que nos pararam, parece que tudo que falávamos era inútil. Nem olhavam direito nossos documentos. Foi uma experiência chocante", acrescenta Janir. Ao final, foram escoltados ao caixa de uma companhia aérea e obrigados a comprar bilhetes de retorno no mesmo dia para Madri. "Foi constrangedor. Saímos acompanhados por dois policias e todos nos olhavam como se fôssemos bandidos."Já o choro de Daniele Zimetbaum, de 22 anos, não evitou a interrupção da viagem que mal tinha começado. A aluna de Comunicação da PUC do Rio faz um intercâmbio de seis meses na Universidade de Vigo (Espanha). Ela queria conhecer outras capitais da Europa, mas não passou da sala da polícia alemã no aeroporto de Schönefeld. "O policial fez deboche e me disse que eu não podia, com aquele visto, entrar na Alemanha." Ela disse que teve de assinar um papel dizendo estar ciente de ter tentado entrar ilegalmente no país.