No Brasil, gripe suína afeta jovens com menos de 30

Fabiane Leite e Tatiana Favaro - O Estado de S.Paulo

Quase 70% dos 36 casos ocorreram nessa faixa etária; sintoma mais comum é a tosse, seguida de febre

A maioria dos 36 casos de gripe suína confirmados no Brasil (69%) até o momento ocorreu em pessoas com até 29 anos de idade, o que confirma a tendência mundial de o novo vírus atingir mais os jovens. A maior parte do pacientes (16) foi infectada nos Estados Unidos, aponta ainda análise do Ministério da Saúde. Ontem à noite a pasta informou dois novos registros da doença, em São Paulo, o que eleva para 38 o total de casos. Acompanhe a evolução da doença no mundo e as últimas notíciasO sintoma mais presente entre os doentes foi a tosse - em 94% dos casos -, seguido da febre, presente em 89%, diz o balanço. Não há uma configuração de surto ou epidemia da doença no País.Em Florianópolis, onde uma creche foi fechada (só reabrirá segunda) em razão de risco da gripe, a secretaria estadual informou ontem que aguarda os resultados de exames de 20 crianças. Um aluno foi contaminado por uma tia doente."A criança não teve febre, apenas dor de garganta e coriza", disse Luís Antônio Silva, diretor da Vigilância Epidemiológica do Estado. A secretaria estadual está revisando os casos e discute com o Ministério da Saúde uma possível mudança nos critérios para classificar um caso como suspeito em razão da constatação, afirmou o diretor.Segundo especialistas, a febre, apesar de ser critério essencial para a definição de casos suspeitos, não tem se manifestado em até 20% dos pacientes em diversos países. "Mas a febre é o principal diferencial entre as gripes e os resfriados comuns", afirmou Jarbas Barbosa, gerente da Área de Vigilância em Saúde e Gestão de Doenças da Organização Pan-Americana de Saúde, que não vê necessidade de alteração de critérios.Atualmente, para classificar um caso como suspeito da gripe A(H1N1) no País é necessário ter febre de no mínimo 37,5°C. Na semana passada, o ministério baixou a temperatura necessária (antes era de 38°C) e incluiu a possibilidade de se considerar a temperatura medida pelo paciente para a classificação de caso suspeito.A pasta informou, por sua assessoria, que mantém um processo de avaliação contínua dos protocolos de definição de casos e que não há ainda nenhuma indicação de revisão. "O fato de um ou outro caso não se adequar 100% na definição de suspeito não é suficiente para alterar os critérios, até porque a febre pode ter ocorrido em algum momento, mas não ter sido medida. Nenhum país do mundo se refere a casos suspeitos sem incluir o sintoma febre", informou Eduardo Hage, diretor de Vigilância Epidemiológica do ministério.A Secretaria de Saúde de Campinas informou que a criança internada no Hospital de Clínicas (HC) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) desde a última quarta-feira como caso suspeito de gripe suína teve alta ontem e permanecerá em isolamento domiciliar. Ela teve contato com uma mulher contaminada pelo vírus, monitora de uma creche no município. O resultado do exame da criança, coletado no HC, foi inconclusivo. Por isso, nova amostra foi coletada para ser enviada ao Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo. As aulas na unidade estão suspensas até o dia 11.No mundo, há um total de 25.288 casos confirmados da nova gripe, com 139 mortes.BOLETIM38 casos da gripe suína foram confirmados no Brasil69% desses casos atingiram pessoas com até 29 anos de idade94% dos pacientes tiveram tosse89% dos doentes tiveram febre25,2 mil casos foram registrados no mundo