Mutirão de ceias

- O Estado de S.Paulo

"É também uma maneira de levar a eles o verdadeiro espírito natalino, que não tem nada a ver com compras, mas com a confraternização e a reunião familiar. Não tenho estrutura para visitar a favela, como muitos daqui fazem, mas pelo menos posso contribuir assim." Outro parceiro no mutirão, o estudante Eduardo Salles Ramuski, de 21 anos, cancela o que for para participar desse trabalho. "Se cada um se dedicar a uma causa, nem que seja uma vez por ano, já faz alguma diferença." Para dois jovens, contribuir com a arrecadação de alimentos, organizar cada item e, em conjunto com 50 voluntários, embalar tudo para entregar a cerca de 1.500 famílias carentes, é pura diversão. Segundo Priscila Gomes Barreira, de 23 anos, é o momento em que todos se reúnem para não deixar que as famílias assistidas pelo centro espírita Casa do Caminho do Alto do Mandaqui (tel.: 6231-2504 / 3827), na zona norte de São Paulo, fique sem uma ceia decente no Natal.SERVIÇOCentro de Voluntariado de São Paulo (www.voluntariado.org.br): Av. Paulista, 1294, 19 andar, tel.: 3266-5477.