Mulher morre por reação à vacina da febre amarela

Elder Ogliari - O Estado de S.Paulo

A Secretaria Estadual da Saúde do Rio Grande do Sul confirmou ontem que a causa da morte de uma mulher de 39 anos foi o efeito colateral da vacina contra a febre amarela. O óbito ocorreu no dia 21 de janeiro, em Santa Maria, na região central do Estado, e desde então estava sob investigação do Centro Estadual de Vigilância em Saúde.O secretário da Saúde, Osmar Terra, explicou que as reações adversas, previsíveis para quem toma a vacina, podem se tornar fatais quando a pessoa imunizada tem deficiências imunológicas. "É por isso que a vacinação só é indicada para quem viaja ou vive em áreas de risco." A mulher de Santa Maria teria insuficiência renal, fazia hemodiálise, e decidiu tomar a vacina antes de uma viagem à zona rural do município, contrariando orientação médica. No Rio Grande do Sul, 141 municípios estão na área de risco de febre amarela. Desde o final do ano passado, a doença matou quatro pessoas que estiveram em matas ciliares do oeste do Estado. Outros dois pacientes foram internados com os sintomas da febre amarela, mas conseguiram se recuperar. Em 2008, o Sistema de Vigilância de Eventos Adversos Pós-Vacina contra febre amarela registrou 284 ocorrências de casos suspeitos de reações ao imunizante e oito casos foram confirmados como eventos adversos graves (seis óbitos e dois choques anafiláticos que evoluíram para cura).