Morre Paulo Vaz, policial e ativista trans, aos 36 anos

Marcos Leandro - Especial para o Estadão

Ele usava suas redes sociais para lutar pelos direitos da comunidade LGBTQ+

O policial civil Paulo Vaz morreu aos 36 anos em São Paulo.

O policial civil Paulo Vaz morreu aos 36 anos em São Paulo. Foto: Instagram/@popo_vaz

O policial civil Paulo Vaz morreu nesta segunda-feira, 14, em São Paulo. A informação foi confirmada pela Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), mas a causa da morte ainda não foi relevada. 

Também conhecido como Popó Vaz, ele era um defensor das causas da comunidade LGBTQ+ e utilizava as suas redes sociais como plataforma para luta pelos direitos desse grupo.

Ele era investigador da Polícia Civil desde abril de 2018 e trabalhava na região da Grande São Paulo. Também foi um dos agentes que veio a público defender o soldado Leandro Prior, que foi vítima de homofobia após dar um selinho em um amigo dentro do metrô.

Paulo era casado com o youtuber Pedro HMC, do canal Põe na Roda. Inclusive, ele já apareceu em alguns vídeos na plataforma do seu marido contando suas vivências enquanto homem trans e gay.

 

 

Artistas e amigos lamentam a morte de Paulo Vaz

Após a notícia da morte de Paulo Vaz, diversos fãs, amigos e artistas manifestaram pesar. Personalidades como Erika HiltonFefito e Duda Salabert usaram suas redes sociais para homenagear o policial.