Miriam Duailib, de 52 anos, coordenadora do Instituto Ecoar

- O Estado de S.Paulo

"Depois da minha separação, que aconteceu há anos, passei por grandes mudanças. Enfrentei dificuldades: financeiras, profissionais e uma doença grave do meu filho mais novo. A luta pela cura dele me fortaleceu. Sempre fui ativista social e ambiental, descobri aí a minha vocação profissional. Aprendi a importância do cuidado: cuidar de si mesmo, do próximo, do ar que respiramos, da terra e do planeta. Porque tudo é extensão de nós. Nunca fui propriamente egoísta, mas hoje sou menos ainda. Madura, conheço os limites dos meus sonhos e sei como é fundamental continuar sonhando e lutando pelo que se acredita. Fiquei muito menos vaidosa, embora continue gostando de andar arrumada. Não poder comprar uma roupa não faz a menor diferença para mim. Nunca fui preconceituosa, mas descobri que, por trás de pessoas simples, existem valores extraordinários. Mas o maior de todos os meus aprendizados foi constatar que o ser humano não controla a vida. Imaginava que, se levasse tudo de maneira certinha, correta, no trabalho e na família, os problemas não surgiriam. E eis que me deparei com um furacão. Percebi como a vida é muito mais profunda: precisamos apenas reagir de forma madura e enfrentar as dificuldades com humildade."