México e China fazem ''troca'' de cidadãos

AFP - O Estado de S.Paulo

Por causa da gripe suína, países resolvem enviar aviões fretados para repatriar seus cidadãos; na capital mexicana, estabelecimentos reabrem

Ontem, o México repatriava cidadãos que estavam em quarentena na China, mesmo sem apresentarem sintomas, por causa da gripe suína. A China também fretou um voo para buscar chineses no México. O país latino-americano, onde ocorre a maior parte dos casos confirmados da gripe, reclama de ser submetido a "medidas vexatórias" por vários países. Um avião da Aeroméxico aterrissou ao meio-dia (horário local) em Xangai, onde 43 mexicanos embarcaram. Outros 34 foram buscados depois em Pequim, Cantão e Hong Kong. Enquanto isso, um avião da chinesa Southern Airlines pousou na Cidade do México para buscar 79 chineses. Em Tijuana, mais 20 deveriam embarcar. A bordo, um especialista do Ministério da Saúde e vários médicos estavam preparados para tomar providências para evitar a propagação do vírus A (H1N1). Além da China, outros países adotaram medidas duras contra o México, como a Argentina, que suspendeu indefinidamente todas as conexões aéreas com o país e anteontem repatriou cerca de 230 cidadãos. Segundo autoridades argentinas, essas pessoas não tinham sintomas, mas foi recomendado que ficassem em isolamento voluntário em suas casas por dez dias, com monitoramento telefônico. Outros países, como Cuba, Equador e Peru, também suspenderam voos do México. O presidente mexicano, Felipe Calderón, demonstrou indignação ontem à noite. "Expressamos nosso mais enérgico rechaço às medidas vexatórias ou discriminatórias empreendidas por vários países contra os mexicanos", ao anunciar uma paulatina normalização das atividades no país. Segundo ele, o México superou o pico da epidemia. Na capital mexicana, funcionários de cerca de 30 mil bares e restaurantes começaram a limpá-los para a reabertura, hoje. "Limpamos e desinfetamos tudo, paredes, pratos, cristais, mesas e cadeiras", disse uma garçonete. A medida de fechar esses e outros estabelecimentos, como teatros, cinemas e estádios, foi tomada no dia 28. Os únicos restaurantes que ficaram abertos foram os que faziam entregas. A capital, com 8 milhões de habitantes, é a campeã de mortes causadas pela gripe suína - até ontem, eram 20. "Meu salário caiu 75%", disse Emilio Serrano, garçom. "Trabalho aqui há quatro anos e nunca tinha sido tão duro." O dono, Eduardo Chamorro, conta que tudo foi desinfetado com água, sabão e cloro.