Melissas seminovas à venda

Agencia Estado - O Estado de S.Paulo

A maioria das meninas com 20 anos ou mais teve, na infância, sua coleção de papéis de carta. O grande barato era fazer trocas com as amigas, conseguir o modelo mais cobiçado ou raro. Na época, essas mesmas meninas certamente usavam Melissinhas nos pés - mas, até então, as famosas sandálias de plástico não passavam de meros calçados. O tempo passou, as garotas cresceram e as Melissinhas viraram Melissas - um passaporte fashion que também se transformou em artigo de coleção. Como os papéis de carta. No site de relacionamentos Orkut, há quase mil comunidades de fãs de Melissas. Em praticamente todas, existem links onde as participantes se encontram para trocar, vender ou comprar Melissas usadas ou seminovas. Participam meninas do Brasil inteiro - quando as interessadas moram muito longe, os sapatos são enviados por correio. Preços menores O principal motivo que leva as garotas a participar desses verdadeiros brechós online são, claro, os preços. Na loja virtual da Melissa, não é possível encontrar nenhuma sandália com valor inferior a R$ 50. Se o modelo for desenvolvido por algum dos famosos estilistas que assinam alguns calçados (Alexandre Herchcovitch, Thaís Gusmão e Isabela Capeto são alguns desses nomes), o valor pode ultrapassar os R$ 100. Nas comunidades do Orkut, entretanto, é possível encontrar até modelos da recém-lançada coleção, seminovos, com preços bem atrativos. ?A maioria das minhas Melissas eu comprei pelo Orkut. Se eu pagasse o valor tabelado, não teria nem 20 pares?, afirma a estudante Cristiane Geronimo da Silva, 20 anos, dona de uma coleção de nada menos que 80 pares. ?Eu dificilmente compro em lojas ?reais?, é muito caro?, concorda a professora Priscila Groti, 22. A designer Tarsila Krüse, 24, tem até uma tática: ?Às vezes, só experimento na loja e depois compro pela internet.? As comunidades são também uma boa forma de levantar uma graninha. ?Tinha 34 pares, mas precisei de dinheiro para viajar para a Irlanda, então vendi alguns. Atualmente, só tenho 10?, diz Tarsila. Há também quem venda para renovar o ?estoque?. É o caso da estudante Maitê Silva, 15 anos, que começou a participar dos brechós a convite de uma amiga. ?Adorei. Vendi todas as Melissas que tinha para poder comprar novos pares?, diz. Modelos ?raros? Outro atrativo dos classificados é encontrar modelos que já saíram de linha. De todos, o mais disputado entre as meninas é justamente o Esmeralda, um peep toe que deixou de ser vendido há várias coleções. Devido à insistente procura das clientes, porém, a grife decidiu relançar o modelo na coleção Outono/Inverno 2007. ?A internet é uma das maiores formas de expressão e é claro que a Melissa está atenta a isso, sempre colhendo informações. A volta da Esmeralda se deve muito ao Orkut, assim como a Vixen, que sempre retorna devido à grande insistência das ?melissetes??, afirma Fernando Serrudo, do departamento de marketing da Melissa. Sorte das fãs. Como todo mercado informal, a menina que participa dos brechós virtuais também está sujeita a riscos. A designer Lilian Fernandes, 28, levou um prejuízo de R$ 65 justamente na primeira compra que realizou pelo Orkut. ?No começo do ano, me interessei por um anúncio da comunidade e entrei em contato com a menina. Antes disso, claro, dei uma olhada no perfil dela para ver se podia confiar. Vi ?scraps? de outras meninas que compraram dela sem problemas. Confiei. Paguei pela Melissa e, até hoje, não recebi. Entrei em contato com a menina diversas vezes, ela até chegou a prometer que devolveria o valor, mas nada. Agora, ela nem responde mais os meus e-mails.?