Médicos são mal distribuídos por SP

Fernanda Aranda, JORNAL DA TARDE - O Estado de S.Paulo

Bairros com maior número de pessoas sem plano são os que menos dispõem de profissionais na rede pública

Quando alguma doença aparece, 4,7 milhões de pessoas na capital ( 40% da população) só têm o Sistema Único de Saúde (SUS) para recorrer porque não dispõem de plano privado. E é justamente onde está concentrada a maior parte desses pacientes que a oferta de médicos nos serviços municipais é menor. A matemática desigual fica evidente com as informações da Secretaria Municipal de Saúde sobre os endereços dos chamados "SUS-dependentes". De cada dez pessoas que moram nos distritos da região leste, mais de seis (62,7%) só podem procurar as unidades e hospitais públicos. Nos bairros da região centro-oeste, onde a disponibilidade de médicos é maior, o índice de SUS-dependentes cai para 39,7% dos moradores.Na região centro-oeste, que abrange bairros nobres, como Pinheiros, a proporção é de 932 pacientes totalmente dependentes do SUS para cada profissional da área básica. Na zona leste, são 2.062 doentes para cada médico disponível (1.130 pessoas a mais na disputa).O resultado foi obtido com o cruzamento dos dados, feito pela reportagem, das populações de cada distrito e do quadro de médicos que atuam apenas em Unidades Básicas de Saúde (UBS), Assistência Médico Ambulatorial (AMA) e Programas de Saúde da Família (PSF). Não entraram na conta médicos de hospitais e serviços estaduais, federais e particulares.O fato de os profissionais públicos estarem mais disponíveis onde há maior concentração de pacientes que têm planos privados requer que o governo redistribua os médicos no sistema. O secretário de Saúde do município, Januário Montone, diz "estar convencido" de que essa medida é ainda mais urgente do que a contratação de recursos humanos.Apesar de o déficit municipal de médicos estar em 500 profissionais, segundo a própria secretaria, e as filas por atendimento chegarem a até seis meses de espera, o argumento que sustenta a tese da concentração - e não falta - de profissionais aparece com o balanço de consultas realizadas na rede pública.O Ministério da Saúde estabelece como ideal que cada pessoa visite o médico três vezes por ano. Como há 10,8 milhões de habitantes em São Paulo, a marca padrão seria alcançada com 32,4 milhões de consultas anuais. "Existem unidades que fazem três vezes mais (consultas) do que preconiza o governo federal . Um indício de que a produção está concentrada", afirma Montone. Em 2006, foram 56 milhões de consultas, 23,6 milhões a mais do que estabelece o ministério.DEMANDA REPRIMIDAA batalha de dez meses que a moradora da zona leste Fermina Silva Lopes enfrentou para conseguir uma consulta com o ginecologista confirma a baixa produtividade da rede. Durante quase todo o ano de 2007, ela esperou pelo tratamento. Só em novembro conseguiu passar pelo médico. Na UBS de Turiaçu, na zona norte, as marcações para clínica geral estão sendo agendadas somente para daqui a seis meses. A Secretaria Municipal de Saúde possui 8.500 médicos contratados. Apesar de considerar a quantidade ideal, a pasta reconhece que a demanda reprimida supera em até duas vezes a capacidade de atendimento na área de especialidades.O Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp) já alertou que não há escassez de profissionais. O problema é como estão distribuídos. O conselho reclama das más condições de atuação. Segundo a entidade, recém-formados trabalham até 52 horas por semana, 44% perdem cerca de duas horas diárias deslocando-se entre locais de trabalho e mais de um terço chega a manter quatro empregos ao mesmo tempo.