Mão amiga para Idosos

- O Estado de S.Paulo

Em vez de curtir o Natal com a família, no aconchego do lar, a dona de casa Elza Rosa, de 49 anos, leva o marido Cícero e a filha Viviane para passarem a ceia no Lar de Idosos Vivência Feliz, entidade filantrópica que assiste 36 velhinhos, que não têm ninguém no mundo. "Precisam mais de mim do que minha família, que está sempre comigo, enquanto eles não têm ninguém", acredita Elza, que é voluntária no local há seis anos, cuidando do bazar e organizando as doações e vendas. "Nesse dia, ajudamos a cuidar deles, a dar comida na boca dos acamados, ficamos do lado de cada um, conversando, ouvindo suas histórias, dando a atenção que eles necessitam. Me sinto realizada e é o que mais gosto de fazer. Como são sozinhos, fazemos deles nossa família. É o que me deixa feliz, pois estou fazendo a minha parte."