Maioria não faz exercícios físicos e está acima do peso

- O Estado de S.Paulo

O estudo divulgado ontem analisou a altura e o peso dos entrevistados e concluiu que eles têm, em média, um índice de massa corpórea (IMC) de 26. "É um índice de sobrepeso. É preocupante", explica o médico reumatologista Marcelo Pinheiro, um dos líderes da pesquisa. O que leva ao sobrepeso e à obesidade são, na maioria dos casos, o sedentarismo e uma alimentação inadequada. A ausência da vitamina A, por exemplo, contribui com a formação de gordura no organismo. De acordo com a pesquisa da USP e da Unifesp, 50% dos brasileiros consomem menos vitamina A que o necessário. Pinheiro diz que o IMC dos brasileiros é preocupante porque o sobrepeso e a obesidade podem levar à síndrome metabólica, um conjunto de doenças relacionadas ao acúmulo de gordura na barriga. Entre essas doenças, estão a hipertensão arterial, o colesterol alto, a diabete ou a pré-diabete e o alto nível de triglicérides. A síndrome metabólica aumenta em três vezes o risco de doenças cardiovasculares, como o derrame e o enfarte. O estudo mostrou que, dos 2.420 entrevistados, só 24% haviam feito algum tipo de atividade física nos 12 meses anteriores. São mais ativos os habitantes da região Sul (31%) e menos os da região Norte (14%). Também foram apontadas as doenças mais comuns em cada região do País. No Sudeste, há mais casos de hipertensão arterial, diabete e osteoporose. No Sul, depressão. No Centro-Oeste, dor nas costas e diabete. No Nordeste, hipertensão e dislipidemia (aumento de lipídeos no sangue). No Norte, artrite, dor nas costas e problemas gástricos.