Laser detecta remédio falso na embalagem

EFE - O Estado de S.Paulo

Londres - Uma equipe de cientistas britânicos criou um laser capaz de verificar a autenticidade dos remédios sem precisar abrir o frasco do medicamento. "A falsificação de remédios é um problema mundial", afirmou Pavel Matousek, do laboratório Rutherford Appleton, em Oxfordshire. Entre 50% e 90% dos comprimidos ou pílulas contra a malária vendidos na África são falsos, por exemplo. "Muitas vezes falamos de remédios falsos que podem provocar a morte, como nos casos de malária, tuberculose e câncer", acrescentou. Os cientistas desenvolveram uma nova forma de espectroscopia Raman (que deve seu nome ao físico indiano Chandrasekhara Raman), ferramenta baseada na radiação eletromagnética capaz de identificar as moléculas dos produtos químicos. A nova técnica, chamada espectroscopia espacial compensada Raman, permite obter dados sobre a composição química dos remédios através de frascos de vidro, de vasilhas plásticas, do invólucro da cápsula e das caixas. O método já existente, a espectroscopia Raman, também permitia identificar os remédios, mas era preciso retirar os comprimidos das caixas, o que impedia que as drogas autênticas pudessem ser comercializadas depois, uma vez que as embalagens tinham sido abertas. Segundo o artigo publicado na última edição da revista americana Analytical Chemistry, o laser, por enquanto, não consegue analisar os remédios através do metal.