Justiça manda hospital pagar R$ 700 mil por erro

- O Estado de S.Paulo

Chico Siqueira

A Justiça condenou o Hospital de Base e a Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, a indenizar em 1,5 mil salários mínimos (cerca de R$ 700 mil atualizados), por danos morais, a família do garoto Ygor Truyts, de 6 anos, vítima de paralisia cerebral que teria sido causada por erro médico durante o parto, em setembro de 2002. A decisão, em primeira instância, deve ser publicada na próxima semana no Diário Oficial do Estado. O hospital informou, por meio de sua assessoria de Imprensa, que só comentará o assunto quando for notificada da sentença, mas que vai recorrer.De acordo com o juiz Paulo Sérgio Romero Vicente Rodrigues, da 4ª Vara Cível de Rio Preto, laudos comprovaram que médicos erraram nos procedimentos adotados para parto normal e demoraram a iniciar a cesariana, o que causou danos irreversíveis ao bebê. "Houve falta de ar no cérebro do garoto, que nasceu com 3,55 quilos e 53 centímetros, mas sem qualquer coordenação motora, sem fala e que hoje se alimenta por sonda", diz o advogado Flávio Marques Alves, que defende a família. Segundo ele, exames de pré-natal previam o nascimento de um garoto normal.O atendimento, feito pelo SUS, foi filmado pelo pai de Ygor, e a fita, usada como prova para embasar a perícia, que concluiu ter havido erro médico.