Iniciativa de Mário de Andrade vai à periferia

Simone Iwasso - O Estado de S.Paulo

Ônibus-biblioteca, criado em 1930, tem itinerário definido por moradores

Além dos conteúdos clássicos de bibliotecas em obras literárias de referência da língua portuguesa, como Machado de Assis, Eça de Queiroz e Fernando Pessoa, o acervo da maior parte dos projetos de leitura é formado por muita poesia, muitos livros infanto-juvenis, muitas revistas e jornais. E também livros de culinária, de autoajuda, de curiosidades. "Para nossa surpresa, nas pesquisas que fizemos, percebemos que os livros mais retirados pelas pessoas são os de poesia e que o principal público é formado por donas de casa e estudantes", afirma Marta Nosé, supervisora do ônibus-biblioteca da Prefeitura de São Paulo, um projeto que leva livros a bairros da periferia, onde não há equipamentos culturais ou de lazer. "Acreditamos que a popularidade da poesia seja porque ela é mais fácil de ler, curta, a pessoa pode ler aos poucos, no caminho pro trabalho, numa folga que tenha", conta ela.O projeto é colocado em prática por quatro ônibus adaptados, que percorrem 28 itinerários diferentes, alguns sugeridos pelas próprias comunidades. Onde o ônibus estaciona é estendido um toldo na parte externa do veículo, sobre mesas e cadeiras para a população. A ideia de levar os livros até as pessoas é antiga e nasceu em 1930, quando o escritor Mário de Andrade era responsável pelo departamento de cultura da cidade. Na época, um carro levava livros pela região central, fazendo empréstimos à população. Hoje, com a mudança no perfil socioeconômico e geográfico da cidade, o foco se deslocou para a periferia."As pessoas muitas vezes se sentem intimidadas com uma biblioteca", diz Marta. Ela acredita que o ônibus, por estacionar em locais de referência nos bairros, como praças ou parques, favorece a aproximação - tanto que, em média, são feitos cerca de 350 atendimentos por dia, que chegam até a 500 em alguns locais. Outro número positivo é o de livros não devolvidos: em torno de 1%. Dona de casa, Maria Aparecida Santos de Souza, de 29 anos, conta que pegou hábito de frequentar o ônibus quando ele passa pelo Jardim Ângela (zona sul) e que a cada visita retira um livro diferente. "No começo pegava os que os bibliotecários me recomendavam. Agora já escolho. Tem semana que leio revista, tem semana que leio poesia", conta. "Agora meu filho, de 9 anos, também pegou gosto. Quando eu falo que vou ler, ele pega o livrinho dele, senta sozinho no sofá e me imita." MARESIAEm Angra dos Reis, no Rio, um projeto chamado Biblioteca Espumas Flutuantes funciona no barco Irmãos Unidos II, que presta serviço transportando alunos e professores das praias da Ilha Grande para as escolas municipais de locais como Praia Grande de Araçatiba, Provetá e do Abraão. Os primeiros começam a viagem por volta das 6 horas e devem chegar à escola até as 8h30. "Os estudantes ficavam ociosos por três, quatro horas no barco, todos os dias, por isso criamos o projeto. Pensamos que seria um bom momento para levarmos os livros até eles", conta Maria Sebastiana Marques Palmeira, coordenadora de bibliotecas municipais da prefeitura de Angra. Quando o projeto começou, ainda em caráter experimental, o acervo inicial tinha apenas 24 livros, reunidos na prefeitura. Com a aceitação das pessoas e a popularização do projeto no barco, doações constantes passaram a ser recebidas. Por causa delas, agora os baús somam cerca de 230 títulos, entre vários gêneros literários. Uma dificuldade é o fato de o ambiente e a maresia prejudicarem os livros, que têm tempo de vida útil mais curto do que num outro ambiente. Isso faz com que novas reposições precisem ser feitas sempre. O resto da estrutura é bem simples: um armário de madeira, por causa da maresia, e dois professores que se responsabilizam pelas orientações e empréstimos.