Grávidas fumantes reduzem a fertilidade de seus filhos homens

Efe, Londres - O Estado de S.Paulo

Mulheres grávidas que continuam fumando durante o período de gestação reduzem a fertilidade de seu bebê, caso ele seja menino, já que com o hábito afetam um gene fundamental relacionado com a capacidade reprodutiva, de acordo com pesquisa conduzida por especialistas da Universidade de Aberdeen, na Escócia. Na literatura científica já havia registros de que as substâncias presentes no fumo afetavam a futura fertilidade dos fetos. Mas os pesquisadores desconheciam ainda o motivo. Agora, especialistas encontraram nos filhos de mães fumantes reduções significativas nos níveis de um gene, o DHH. Ele desempenha um papel crucial no desenvolvimento dos testículos, já que libera a molécula do mesmo nome (DHH). A substância, por sua vez, controla o crescimento do órgão reprodutor masculino. Isso tem conseqüências para a fertilidade dos homens. Segundo o relatório publicado pela revista científica Clinical Endocrinology and Metabolism, os testículos pequenos estão vinculados a um baixo nível de esperma. Para chegar a essa conclusão, os especialistas examinaram 22 fetos humanos de 11 a 19 semanas de gestação e observaram os níveis de 30 genes importantes para o desenvolvimento dos testículos. Eles não acharam nenhuma mudança significativa, a não ser no caso do DHH. Os fetos das grávidas que tinham fumado dez ou mais cigarros por dia tinham quase a metade dos níveis de DHH que os das que não tinham fumado. "É a primeira vez que, numa pesquisa, o gene DHH foi vinculado ao hábito de fumar da mãe e aos problemas de fertilidade", disse o pesquisador Paul Fowler. Ele ressaltou, no entanto, que o estudo ainda era "preliminar", mas que fornecia fortes indicativos para "futuros trabalhos que precisam ser feitos na área".