Garoto de 5 anos pode ter sido ''paciente zero''

The New York Times - O Estado de S.Paulo

Governo mexicano diz que menino foi o primeiro infectado pela gripe suína no país

O menino Edgar Hernández, de 5 anos, tem sido apontado pelo governo do México como possível "paciente zero" da epidemia de gripe suína. A notoriedade repentina causou apreensão em seus familiares e pode gerar questionamentos sobre a reação - ou a falha em reagir - das autoridades do país aos primeiros estágios do que pode se tornar uma epidemia global.Quando começou a apresentar sintomas como febre, tosse e dores no corpo, todos disseram à mãe do menino, Maria del Carmen Hernández, que a doença de Edgar era um resfriado comum. Mas não parecia mais ser esse o caso, depois que todos os cerca de 3 mil moradores da cidade de La Gloria, no Estado de Veracruz, começaram a adoecer, em fevereiro. Quando os funcionários da saúde pública chegaram ao local, em 23 de março, para investigar o casos, 1,3 mil pessoas procuraram ajuda médica. Cerca de 450 foram diagnosticados com infecção respiratória aguda grave e mandados para casa com antibióticos e máscaras cirúrgicas.Edgar ainda estava doente. Sua mãe não queria que ele fosse à escola, mas o pai discordava. Ele tinha febre, dor de cabeça e seus olhos doíam. Foi levado ao médico e, depois de alguns dias de tratamento com antibióticos, recuperou-se. Ninguém disse a Maria del Carmen que seu filho foi o primeiro mexicano a comprovadamente ter o vírus da gripe suína, até que o governador do Estado de Veracruz chegou à região, na segunda-feira.Quando médicos do Centro de Controle de Doenças coletaram amostras das pessoas infectadas em La Gloria, todas deram resultado negativo, com exceção de uma: a do pequeno Edgar. Seus familiares não foram infectados, nem mesmo os que moram com ele.O mais intrigante é o fato de os primeiros sintomas da doença no menino terem vindo à tona depois que duas pessoas nos Estados Unidos já haviam sido infectadas. É possível que a doença tenha começado na Califórnia e sido levada por alguém ao México, para depois espalhar-se pelo mundo. Também há indícios de que a doença tenha origem eurasiática, segundo o The Washington Post.Edgar Hernandez é descrito pela mídia como um menino brincalhão e de sorriso largo. Mas sua mãe tem medo da notoriedade que ele possa ganhar caso seja o paciente zero. "Não tenho palavras. Não tenho respostas", disse ela, chorando diante de uma imagem de Cristo em sua sala de estar. "Eu me sinto muito mal com isso, pois as pessoas vão pensar que foi culpa do meu filho. E eu não acho que tenha sido culpa de alguém", prosseguiu ela.