Funeral será aberto ao público, diz família

- O Estado de S.Paulo

Empresa divulga últimas fotos de Michael Jackson, em boa forma

A família do cantor Michael Jackson, morto na quinta-feira, anunciou ontem oficialmente que tem intenção de promover um funeral público para o cantor e que a cerimônia será aberta aos fãs. Mas o pai de Michael, Joe Jackson, disse que o funeral está condicionado primeiro à apuração do que aconteceu com seu filho. A intenção foi reafirmada por Janet Jackson, irmã do músico, que disse que a autorização para o funeral virá após a família conhecer o resultado da segunda autópsia que foi feita no corpo do cantor, o que poderá acontecer em dias. Acompanhe todo o noticiário sobre Michael JacksonJoe Jackson negou que a cerimônia fúnebre será no rancho Neverland, onde Michael viveu até o final do processo que sofreu por acusação de pedofilia. "Não decidi ainda o que vai acontecer", disse Jackson. "Vai ser de um jeito do qual Michael pode se orgulhar."Para ajudar a decidir sobre a cerimônia, Joe e Katherine Jackson convocaram um antigo conselheiro da família, o reverendo Al Sharpton, de Atlanta (Geórgia), que esteve ontem na residência dos Jackson em Encino, Califórnia, nas imediações de Los Angeles. O pastor improvisou uma coletiva de imprensa no local, ao lado do pai de Michael, e ponderou que os planos para o funeral deveriam ser cuidadosos, não improvisados.Muita gente analisou a súbita receptividade do pai de Michael Jackson como uma forma que ele encontrou para dissipar o mal-estar que causou uma entrevista sua à rede de televisão CNN. Na entrevista, Joe Jackson passou a maior parte do tempo promovendo o selo discográfico que está lançando, o Ranch Records. Muitos fãs de Michael Jackson se sentiram ultrajados pelo comportamento do pai do cantor, segundo fóruns travados em pequenos jornais, como o Examiner, de Encino, e o site TMZ."Estou aqui para assegurar que Michael receba na morte aquilo que nunca teve em vida - ele nunca teve crédito. Ele não era um esquisito, ele era um gênio. Não foi excêntrico, mas um inovador que quebrou barreiras e deve ser dado a ele mais reconhecimento do que teve", afirmou Al Sharpton.Também ontem, a mãe de Michael Jackson, Katherine, conseguiu na Justiça a guarda provisória dos três filhos do cantor - Prince Michael Jr., de 12 anos, Paris Michael Katherine, de 11, e Prince Michael II, de 7 anos. O juiz Mitchell Beckloff, da Corte de Los Angeles, determinou uma audiência no dia 6 de julho, às 8h30. Os advogados de Katherine defenderam na corte que Debbie Rowe, mãe biológica de duas das crianças, não tem uma relação com os menores e que, se ela tivesse sua custódia, isso poderia ser prejudicial aos filhos do cantor. Em contrapartida, a avó dos garotos já tem uma "longa relação estabelecida" com os netos. Para a guarda definitiva, segundo observadores, está se anunciando longa batalha. Debbie Rowe, por ser mãe biológica, tem direitos legais que podem ser decisivos no julgamento final pela custódia definitiva das crianças.CRONOLOGIA DO CASONa quinta-feira passada, o cantor, compositor, produtor e dançarino Michael Jackson morreu aos 50 anos, após passar mal em uma casa que tinha alugado em Los Angeles. Ele estava acompanhado pelo médico Conrad Murray, contratado pela empresa de shows AEG Live para acompanhá-lo durante a temporada de 50 shows que faria em Londres a partir do próximo dia 13. Na sexta-feira, legistas que fizeram a autópsia no corpo do artista afirmaram que a causa da morte só poderia ser determinada num período de quatro a seis semanas, quando os resultados de todos os testes necessários ficariam prontos. Conrad Murray fez contato com a polícia e se dispôs a depor. Em seu carro, apreendido pela polícia na casa de Jackson, foram encontrados dois medicamentos que poderiam estar relacionados à morte do astro - entre eles o analgésico Demerol, semelhante à morfina.No sábado, o reverendo Jesse Jackson, amigo da família, afirma que uma autópsia independente deve ser realizada. Anteontem, o pai de Michael Jackson afirma que stress por excesso de trabalho não causou a morte de seu Filho.