Formação renasceu em 2004

Karina Toledo - O Estado de S.Paulo

Os antigos cursos de Obstetrícia que existiam no País foram extintos na década de 60 e acabaram se transformando em uma especialização da área de Enfermagem. Na Universidade de São Paulo (USP), a última turma da leva antiga se formou em 1971.Mas o curso renasceu em 2004 - ano em que o câmpus da zona leste foi inaugurado - alinhado à política do Ministério da Saúde de estimular o parto normal e melhorar a assistência à mulher durante o pré-natal, o parto e o pós-parto, de forma a reduzir a mortalidade materna e neonatal."O curso tem hoje muito mais conteúdo de humanas. Antes era uma formação mais técnica, voltada para os problemas de saúde. Hoje eles estudam psicologia, antropologia, e têm o objetivo de atender a mulher em suas necessidades físicas, emocionais e socioculturais", conta Dulce Gualda, que ajudou a implementar o projeto na USP Leste.Além de prestar assistência à gestante, os parteiros profissionais podem atuar no pré-natal e cuidar da saúde dos recém-nascido e de seus familiares no pós-parto, orientando, por exemplo, a amamentação."Tomamos um susto no primeiro ano do curso quando notamos uma procura relativamente grande dos homens. Era algo que não esperávamos", diz Dulce.