Fernanda Locosque, 25 anos, professora de educação física

- O Estado de S.Paulo

"Em casa, eu, minha mãe e irmã do meio somos apaixonadas por futebol. As exceções são meu pai e minha outra irmã, que não ligam. Minha mãe já foi bem fanática, de passar mal ao assistir a um jogo. Hoje ela está mais tranqüila. Finalmente, encontrei um namorado que torce para o meu time, o Palmeiras. Mas ele não é fanático como eu. Em dia de jogo, sou eu quem o convido para ir ao estádio. Ele fica orgulhoso, incentiva e me deu a camisa do time. Gosto tanto de futebol que participo de uma pelada feminina, uma vez por semana, à noite. A maioria vai mais pela bagunça, não entende das regras. Por isso acaba sendo engraçado. Bacana mesmo é acompanhar campeonatos e discutir o resultado final depois. Os homens se espantam quando conhecem uma mulher que sabe do esporte tanto quanto eles, afinal, isso é ainda raridade."