Fernanda Keller, de 44 anos, triatleta

- O Estado de S.Paulo

"Quando comecei a competir, com 17 anos, faltava experiência. Como não conhecia os meus limites físicos, acabava me poupando um pouco para conseguir levar uma prova até o fim. Hoje sei exatamente como chegar ao meu máximo. Tenho aquela autoconfiança que me faz dar tudo de mim, saber que posso agüentar, que não preciso economizar durante a natação, corrida e na hora de pedalar. Fui criando cada vez mais confiança em mim. Sempre suportei bem a pressão das competições, mas agora lido com isso de forma mais serena, mais consciente. Assim, meu rendimento melhorou. Quando somos novos, é fácil ficarmos deslumbrados com as vitórias e com a fama que vem na seqüência, mas não me contaminei. Sinto orgulho de nunca ter perdido meu foco, nem minha essência, que é a de uma pessoa simples, de uma atleta que luta para viver do esporte. Antigamente era baladeira, saía mais. Hoje sou mais caseira, gosto de curtir o meu marido. Também não me desdobro mais para fazer mil coisas ao mesmo tempo. Por causa desse meu jeito, deixava de fazer as coisas mais importantes. Agora sei dar prioridade ao que realmente interessa."