Faxina de fim de ano

Denise Berto - O Estado de S.Paulo

Supersticioso ou não, cada um tem sua receitinha para começar o ano com o 'pé direito'

A esperança de conquistar mais felicidade, amor, trabalho, saúde e prosperidade se renova a cada final de ano. Para isso, vale tudo. Mesmo os mais céticos têm algum ritual repetido todo dia 31 de dezembro. Se funciona, é discutível. O importante é que elevam o astral e dão um colorido especial à festa.Antonio Carlos Bentivegna, tarólogo, numerólogo e diretor do site www.magiadeamor.com.br destaca que o ideal é ter sempre uma postura positiva, independentemente do dia do ano. Na virada, especialmente, ele diz que é preciso duplicar, triplicar essa energia, para que ela se mantenha presente durante os dias que virão. Para isso, tem várias receitas, que podem ajudar na realização dos objetivos.Bentivegna conta que, nesta época do ano, as consultas aumentam muito, pois os clientes eventuais estão interessados nas atitudes certas para conseguir melhorar em todos os sentidos. Mas ele não tem do que reclamar. A consultoria esotérica, que era um hobby, cresceu tanto que ele resolveu abandonar o magistério para dedicar-se exclusivamente a ela. Hoje, conta com cerca de 400 clientes.Uma delas é Andréa Filomena Basílio, de 42 anos. "Sou supersticiosa sim, apesar de católica. Acredito que tudo o que a gente faz com fé, vale a pena." Ela conta que seu guru Bentivegna a ajudou muito em momentos difíceis pelos quais passou com seu salão de beleza. "Cheguei quase a fechar, mas o astral e as atitudes positivas que ele sempre sugeriu me reergueram", garante. Seus finais de ano, passados há algum tempo na praia de Camburi, São Sebastião, no litoral norte de São Paulo, são marcados por várias tradições. Lentilha e rabanada têm presença certa na ceia. "Trazem dinheiro, prosperidade", justifica. "Só comemos animais que se dirigem para frente: caso do porco e peixe. Nada de frango ou peru, que também andam para trás. A idéia é avançar. À meia-noite, subimos na cadeira e tomamos três goles de guaraná. Não me pergunte o porquê. Minha mãe fazia isso desde que eu era menina. Lembro-me que a simpatia estava ligada à prosperidade." Para terminar, joga flores no mar para que Iemanjá lhe traga felicidade.PENSAMENTO POSITIVOA lojista de material elétrico e terapeuta holística Anita Regina de Sousa, de 56 anos, lembra que o mais importante é esbanjar otimismo na virada do ano. Do contrário, não há simpatia que ajude. Para ela, até vestir o branco na data é questionável. "Acredito que devemos usar a cor que mais gostamos e que tenha a ver com o momento que estamos vivendo. No ano passado, por exemplo, estava voltada para a expansão financeira. Usei amarelo ouro, que significa prosperidade. Este ano, meu momento é de amor e dedicação à família. Por isso, vou vestir vermelho."Ela acrescenta que alguns rituais são repetidos todo dia 31 de dezembro em sua família. "Fazemos duas cartas que são colocadas em envelopes vermelhos. Numa delas, escrevemos tudo o que aconteceu de bom no ano que está acabando. Agradecemos ao universo e a queimamos minutos antes da meia -noite. Na outra, relacionamos tudo o que não queremos que se repita no ano novo. Pedimos ajuda ao universo com fervor e também queimamos a carta no mesmo horário", conta. Além disso, prepara uma bandeja com envelopes contendo uma nota de 1 dólar ou 1 real, os quais são distribuídos para as pessoas que estão em sua casa no último dia do ano. "A idéia é dar para receber", explica. Para finalizar, prepara um local da casa para fazer uma oferenda aos mercadores do Oriente. Pede com muita fé que lhe tragam prosperidade. Coloca pão sírio, mel, damasco, uvas, maçã e pêra num pratinho. Ao seu lado, uma taça de vinho tinto doce com mel e uma vela amarela de sete dias. Quando a vela acaba, joga tudo fora.RECEITAS FAMILIARESA empresária de eventos Eneida de Souza, de 63 anos, também não abre mão das simpatias no fim do ano. "É tradição, assim como a corrida de São Silvestre ou Papai Noel no Natal e comer chocolate na Páscoa", compara. Na sua família, é essencial comer tâmara e guardar o caroço na carteira durante todo o ano seguinte. "Para não faltar dinheiro", ressalta. São preparados vários lacinhos cor de rosa, amarrados a uma folha de louro, para serem distribuídos às pessoas presentes. Também devem ser guardados na bolsa, carteira ou pasta, no caso dos homens. "Atraem prosperidade e felicidade", explica. E, para subir na vida, nos próximos 365 dias que virão, ela conta que a família inteira sobe a escada em fila indiana nos primeiros minutos do dia 1º de janeiro, com as taças de champanhe contendo 12 uvas, que representam os meses do ano. Todos comem as uvas e guardam os grãos.A astróloga, taróloga e atriz Marisa Morrone Carillo, de 52 anos, destaca que tanto a astrologia como o tarô ajudam as pessoas no autoconhecimento. Segundo ela, a lua tem uma forte influência em relação ao planeta Terra e ao inconsciente das pessoas. Por isso, sugere que no dia 31, tanto crentes como céticos, fixem o olhar para a lua e façam, com muita força e fé, três pedidos. É aconselhável também, de acordo com ela, jogar fora tudo o que não se usa, agindo da mesma maneira com velhos sentimentos, rancores e mágoas. "A idéia é fazer uma faxina material e espiritual."Recomenda ainda que, no último dia do ano, as pessoas dediquem alguns minutos para a meditação e balanço de sua vida. Para tanto, é melhor recolher-se num local silencioso da casa, colocar um copo com água por perto, para purificar o ambiente, acender uma vela cor de rosa para o anjo da guarda, abrir a agenda e escrever as metas que deseja alcançar.