Fãs cobram posicionamento de Anitta contra Bolsonaro e cantora diz não opinar sobre política

Redação - O Estado de S.Paulo

Hashtags #AnittaIsOverParty e #ForçaAnitta foram parar nos trending topics do Twitter

A cantora Anitta

A cantora Anitta Foto: Carl de Souza/ AFP

A cantora Anitta está sendo cobrada por fãs a se posicionar contra a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) à presidência da República, desde a tarde desta quarta-feira, 19, no Twitter. A artista disse em sua conta que não irá opinar sobre política. "Não quero ser obrigada a fazer campanha política quando não foi esse o trabalho que escolhi", declarou.

Anitta, que tem uma base de fãs formada pelo público LGBT, já vinha sendo cobrada há dias a se pronunciar sobre o candidato do PSL. Na última semana, usuários das redes sociais criaram a #OpPinkMoney [Operação], um movimento para cobrar posicionamentos de artistas que possuem a comunidade como público e ganham dinheiro com ela. Para isso, os envolvidos usaram a #AnittaDigaNãoaoFascismo no Twitter.

 

A pressão para o posicionamento da cantora aumentou depois que ela seguiu no Instagram o perfil de uma amiga que manifesta apoio a Bolsonaro nas redes sociais e ela decidiu falar sobre o assunto. No Twitter, Anitta disse que não quer ser obrigada a fazer campanha política.

 

No Instagram, a cantora publicou uma série de vídeos no Stories para explicar a situação e declarou estar sofrendo cyberbullying após as declarações. "Hoje eu comecei a ser atacada, xingada e ameaçada porque eu segui uma amiga que expôs publicamente a sua intenção de voto. Eu não gostaria de ter que parar de falar com ela por causa da posição política dela."

 

VEJA TAMBÉM: Anitta: relembre as polêmicas nas quais a cantora já se envolveu

Instagram / @pabllovittar | Alexandre Schneider / Netflix / Divulgação | Instagram / @thenewclassic
Ver Galeria 26

26 imagens

 

A cantora também disse estar se sentindo desrespeitada com a repercussão do assunto nas redes. "Eu sou uma pessoa que sou a favor do respeito. Eu respeito as diferenças, eu sou feminista, eu respeito a sexualidade, tudo".

Ao falar de respeito, Anitta ainda defendeu que "não é xingando o seu familiar ou o seu amigo que pensa diferente politicamente de você que você vai conseguir mudar a realidade do nosso país."

Após as declarações da cantora, duas hashtags com o seu nome foram parar no Twitter. Parte de seus fãs e dos membros da comunidade LGBT não gostou do posicionamento e a #AnittaIsOverParty foi para os trending topics. O termo, geralmente, é usado nas redes sociais quando um artista é criticado por suas atitudes e significa que a sua carreira foi afetada. 

 

Também houve uma parte dos fãs que discordou da cobrança e decidiu dar apoio à cantora pela #ForçaAnitta.

 

Outras artistas usaram as redes sociais para manifestar rejeição a Bolsonaro nos últimos dias, pelo movimento #EleNão. Artistas como Iza, Sasha, Camila Pitanga, Bruna Marquezine, Kéfera e Claudia Raia publicaram mensagens de repúdio ao candidato. Parceira de Anitta no clipe “Sua cara”, a cantora Pabllo Vittar desvinculou a sua imagem da marca Victor Vicenzza por declarar apoio a Bolsonaro. "Não poderei aliar meu trabalho a um discurso que deixa claro não se importar com os direitos humanos de toda comunidade LGBTQIA+, à qual faço parte", disse.