''Falta dinheiro'', afirma coordenadora

Damaris Giuliana, SÃO PAULO - O Estado de S.Paulo

Último lugar na avaliação do MEC, o curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Piauí - câmpus São Raimundo Nonato, a 450 km de Teresina -, formará sua primeira turma em 2010. A coordenadora Laíde Bastos atribui a deficiência à falta de preparo dos profissionais. "Não temos professores qualificados", diz. Segundo ela, "muitos professores não querem trabalhar" porque o salário, por 20 horas/aula, é de R$ 600 para os graduados. Especialistas ganham R$ 708,80.

Laíde diz acreditar que será exonerada antes de completar um ano no cargo. "Já aconteceu com outras colegas", desabafa. "Não quero falar mal da instituição em que trabalho, mas falta dinheiro. Mesmo assim, a gente faz pesquisa de campo", defende. Os telefonemas da reportagem foram atendidos por alunas que estavam na biblioteca.