Fábrica rejeitou leite de cooperativa investigada

Emilio Sant?Anna e Brás Henrique - O Estado de S.Paulo

Nilza rompeu contrato ao detectar má qualidade em testes próprios meses antes de descoberto esquema

Uberaba - A Indústria de Alimentos Nilza, de Ribeirão Preto (SP), devolveu à Cooperativa Agropecuária do Sudoeste Mineiro (Casmil), de Passos (MG), várias cargas de matéria-prima rejeitada em testes de qualidade da própria empresa. Em julho, a rejeição foi tamanha, chegando a 30% - 20 vezes mais que a média anual, de 1,5% -, que o contrato de fornecimento foi encerrado. Entenda a fraude do leiteA Casmil é uma das duas cooperativas investigadas pela Polícia Federal (PF), na Operação Ouro Branco, por adulterar leite integral adicionando água oxigenada e soda cáustica para aumentar durabilidade e encobrir má qualidade. A junta interventora da Casmil, que assumiu a direção por determinação judicial, disse que não se manifesta sobre fatos passados.Segundo o diretor industrial da Nilza, Marcelo Nogueira, testes simples podem detectar adulterações no leite durante a rotina de laboratório após a coleta do material no caminhão antes mesmo do descarregamento. "Não dá para falar se a rejeição foi exatamente por isso (água oxigenada), mas tinha uma quantidade a mais de ?defeitos?."A Nilza capta diariamente 600 mil litros de leite de cerca de 250 fornecedores (25% direto de produtores próprios, 50% de contratados e 25% de avulsos). A empresa produz leite UHT integral, desnatado e semidesnatado, queijos e manteiga. A empresa faz cerca de dez testes de detecção de componentes inadequados no leite, que duram cerca de cinco minutos, seguindo a Instrução Normativa 51 do Ministério da Agricultura. Os testes são feitos como rotina em algumas grandes empresas. Entre os itens avaliados estão temperatura, presença de inibidores (como antibióticos), acidez e teor de gordura.A Nilza fez testes também no Lanagro, em Campinas, um laboratório do governo federal, para garantir a qualidade do leite recebido e oferecido ao consumidor. Devido à investigação do leite em todo o País, a PF também recolheu produtos da Nilza para análises.